Mike Theiler/Reuters
Mike Theiler/Reuters

Kerry acusa Rússia de dificultar uma negociação de paz na Síria

Secretário de Estado americano afirmou que as recentes atividades russas em Alepo 'estão fazendo com que seja muito mais difícil que se sentem em uma mesa e tenham uma conversa séria'

O Estado de S. Paulo

10 de fevereiro de 2016 | 12h30

WASHINGTON - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, acusou a Rússia na terça-feira de tornar ainda mais complicado o início de uma verdadeira negociação de paz na Síria.

"As atividades da Rússia em Alepo, atualmente, estão fazendo com que seja muito mais difícil que se sentem em uma mesa e tenham uma conversa séria", disse Kerry a uma jornalista em Washington, após reunião com o ministro das Relações Exteriores do Egito, Sameh Shoukry.

Nos últimos dias, a região de Alepo foi palco de uma grande ofensiva do regime sírio, que contou com apoio aéreo da Rússia. A ação resultou na fuga em massa de pessoas em direção à fronteira da Síria com a Turquia.

"Pedimos à Rússia, e voltamos a pedir à Rússia, que se una ao esforço para conseguir um cessar-fogo imediato e um acesso humanitário completo", afirmou o secretário de Estado.

"Não somos cegos, somos muito conscientes do quão crucial é este momento. A Rússia tem que contribuir de uma forma significativa, permitindo que a oposição e outros grupos se sentem à mesa e criem uma atmosfera na qual possa haver uma negociação", completou.

Kerry chega nesta quarta-feira, 10, a Munique, na Alemanha, para participar da reunião do Grupo Internacional de Apoio à Síria e da Conferência de Segurança de Munique (MSC), encontro que também terá a participação de Serguei Lavrov, Ministro das Relações Exteriores da Rússia.

"Chegaremos a este encontro em Munique com grandes esperanças. É um encontro que dirá muito sobre o caminho que fica por percorrer", disse o chefe da diplomacia americana.

A reunião em Munique será fundamental para que sejam definidas posturas após a suspensão das conversas de paz para a Síria, em Genebra, que foram abandonadas pela oposição síria diante dos bombardeios da força aérea russa.

Segundo informações da agência de notícias Interfax, autoridades russas teriam respondido às afirmações de Kerry - de que as forças aéreas da Rússia estão causando mais mortes na Síria - dizendo que elas são irresponsáveis. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEstados UnidosJohn KerrySíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.