Kerry convence oposição síria a participar de reunião em Roma

Secretário de Estado dos EUA começa viagem por Europa e Oriente Médio e obtém primeira vitória diplomática

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2013 | 02h09

Com o conflito na Síria em foco, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, iniciou ontem uma viagem por nove países. Trata-se de sua primeira missão internacional desde que assumiu o Departamento de Estado, em janeiro. Em Londres, o ex-senador democrata conseguiu convencer a oposição síria a desistir do boicote à reunião de chanceleres dos países amigos da Síria, marcada para a quinta-feira em Roma.

Em paralelo, chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, reuniu-se ontem com o chanceler sírio, Walid Mualem, em Moscou. Mualem disse a Lavrov que Bashar Assad está preparado para negociar com a oposição, mas não deixará de combater o "terrorismo".

A Coalizão Nacional Síria, principal grupo de oposição ao regime, avisou que só se sentará à mesa com representantes de Assad se houver um cessar-fogo. Kerry e Lavrov terão uma reunião hoje, em Berlim, para discutir o impasse. "Não permitiremos que a voz da oposição síria não seja ouvida no processo", disse Kerry, após reunião com o premiê britânico, David Cameron, e com o chanceler, William Hague. "Diante da mortandade e da ameaça de instabilidade, nossa política não pode se manter estática. Temos de aumentar nosso apoio à oposição síria. Estamos nos preparando para fazer isso", afirmou Hague.

Os opositores sírios reclamam das promessas não cumpridas pelos EUA de amenizar o sofrimento da população e solucionar o conflito. Como o próprio Kerry lembrou, a guerra já deixou 70 mil mortos. A coalizão opositora havia anunciado o boicote para obter apoio dos países amigos da Síria em Roma. Kerry conversou por telefone com o líder do grupo. Moaz al-Khatib, e a estratégia deu certo.

A conversa de hoje entre Kerry e Lavrov terá especial importância pelo fato de a Rússia ter uma relação especial com Assad. Além de Grã-Bretanha, Alemanha, Itália e França, Kerry também visitará Turquia, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Catar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.