Kerry defende ação militar na Síria

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, afirmou que quando armas químicas foram usadas na Síria em abril, o presidente Barack Obama tinha não um caso "forte" o suficiente para defender uma resposta militar dos EUA.

AE, Agência Estado

04 Setembro 2013 | 17h33

Em testemunho perante o Comitê de Assuntos Externos da Câmara nesta quarta-feira, Kerry disse que, embora Obama não tenha tido um caso forte na época, ele tem agora após o ataque em 21 de agosto que matou mais de 1.400 pessoas na Síria.

Uma comissão do Senado dos Estados Unidos aprovou na tarde desta quarta-feira o uso da força contra a Síria. Com dez votos a favor e sete contra, a Comissão de Relações Exteriores do Senado norte-americano aprovou uma resolução mais abrangente do que a proposta pelo governo.

Ao responder porque Obama não decidiu por uma ação militar em abril, Kerry explicou que Obama estava na época negociando o apoio do Congresso à oposição síria.

Mais conteúdo sobre:
EUAKerrySenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.