Kerry deixa hospital e planeja voltar logo às negociações nucleares com o Irã

Secretário de Estado disse que planeja viajar para a Europa para se unir às reuniões antes do fim do prazo para um acordo, no dia 30

O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2015 | 20h33

WASHINGTON - O secretário de Estado americano, John Kerry, deixou nesta sexta-feira o Hospital Geral de Massachusetts, em Boston, onde passou por uma cirurgia para recompor uma perna quebrada, e disse que planeja voltar às negociações internacionais sobre o programa nuclear do Irã para a reta final do processo, no fim do mês.

Kerry ficou quase duas semanas se recuperando no hospital e disse que permaneceu nesse período totalmente engajado nas conversas com o Irã. Ele está voltando para sua casa em Boston para continuar a se recuperar de uma fratura no fêmur direito, sofrida durante uma queda de bicicleta no dia 3, na França, perto da fronteira com a Suíça. O acidente forçou-o a interromper a viagem na Europa.

Falando a repórteres logo após deixar o hospital, Kerry disse que planeja viajar para a Europa para se unir às negociações após reuniões marcadas com autoridades chinesas, mais adiante neste mês. Ele qualificou esse momento como "crucial" nas negociações.

O médico de Kerry, Dennis Burke, disse que a recuperação total da cirurgia deve levar vários meses, ainda que não tenha havido complicações. O secretário de Estado usará muletas e terá de fazer fisioterapia.

A chefe dos EUA nas negociações, Wendy Sherman, está em Viena se reunindo com diplomatas de Grã-Bretanha, França, Alemanha, Rússia, China e Irã para aplainar as diferenças, enquanto as conversas se aproximam do prazo final, no dia 30. Os negociadores ainda trabalham para resolver questões sobre as possíveis dimensões militares das atividades nucleares anteriores do Irã e também sobre o acesso dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e o cronograma para a retirada das sanções contra o país. / Dow Jones Newswires

Tudo o que sabemos sobre:
EUAKerryIrãnuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.