Kerry diz que acesso à internet é direito fundamental

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, defendeu o direito fundamental à Internet e criticou governos autoritários que restringem o acesso à web e a redes sociais. O pronunciamento foi feito hoje, de Washington, para um fórum sobre liberdade online que acontecia na Estônia.

AE, Agência Estado

28 de abril de 2014 | 15h25

Durante o discurso, o secretário disse que governos autocráticos veem a comunicação livre e aberta como uma ameaça. Para Kerry, as restrições impostas por líderes autoritários são uma manobra para fragmentar o povo e esconder a verdade.

Kerry defendeu que os Estados Unidos e outras democracias devem continuar exigindo maior liberdade online para dar voz a cada vez mais pessoas. O secretário também destacou a importância de proteger a privacidade na Internet e disse que os EUA mudaram, recentemente, sua política de coleta de informações de usuários da rede.

Apesar das declarações de Kerry, na semana passada a Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos propôs novas regras de internet que permitam aos provedores cobrar pela entrega mais rápida de conteúdo, acelerando a chegada dele à casa dos consumidores, o que significaria na prática um golpe sobre a chamada "neutralidade da rede". Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAKERRYINTERNETLIBERDADE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.