Yuri Gripas/EFE
Yuri Gripas/EFE

Kerry diz que discurso de Bolsonaro na cúpula foi 'muito bom' e surpreendeu

Enviado especial do governo americano diz que conferência representa uma união global em torno do reconhecimento da crise climática

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 16h30

WASHINGTON - O enviado especial dos Estados Unidos para questões climáticas, John Kerry, afirmou que os comentários do presidente Jair Bolsonaro na cúpula do clima nesta quinta-feira, 22, foram "muito bons" e o surpreenderam. Um pouco mais cedo, um porta-voz do Departamento de Estado americano havia declarado que o tom de Bolsonaro foi "positivo e construtivo", mas credibilidade dependia de resultados

No evento virtual promovido pelo governo americano, Bolsonaro disse que ouviu o pedido de Biden para adoção de medidas mais firmes de preservação ambiental e se comprometeu a alcançar a neutralidade climática no Brasil até 2050. Para isso, prometeu eliminar o desmatamento ilegal no País até 2030. 

Durante a cúpula, que teve início nesta quinta-feira com a participação virtual de líderes mundiais, os EUA anunciaram a meta de cortar a emissão de carbono pela metade até o fim desta década. O governo americano anunciou ainda um plano de financiamento internacional voltado à questão climática.

Na entrevista coletiva, Kerry disse que a conferência representa uma união global em torno do reconhecimento da crise climática. "Hoje construímos um grande bloco fundamental", afirmou. Para Kerry, os países devem aumentar a ambição de combater a mudança no clima. 

A credibilidade de Washington nas questões ambientais foi "destruída", na visão de Kerry, depois que o país deixou o Acordo de Paris - decisão que foi revertida pelo governo de Joe Biden este ano. Segundo o enviado especial, a atual administração decidiu definir a questão climática como transversal.

"Será que provavelmente vamos acabar excedendo essa meta? Suspeito que sim", disse, Kerry. "Estou otimista porque muita coisa está começando a acontecer."

Para Entender

O que é o encontro convocado por Joe Biden

Reunião de líderes mundiais quer estabelecer novos compromissos para a redução das emissões de carbono e nasceu do interesse americano de se recolocar como protagonista no cenário internacional após os anos Trump

A conselheira nacional para o clima, Gina McCarthy, que também participou da coletiva, disse que o governo americano vê "caminhos" em todos os setores para fazer a economia crescer ao mesmo tempo em que o país reduz as emissões de carbono. 

De acordo com ela, quando Biden "ouve" sobre o clima, o democrata pensa em criação de empregos. O comentário foi uma referência ao pacote de infraestrutura proposto pelo chefe da Casa Branca, que tem foco em energias renováveis./AP e REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.