Kerry diz que erros de Bush podem levar a guerra sem fim

O candidato presidencial democrata, senador John Kerry, que autorizou a invasão do Iraque em votação no Senado, disse que erros cometidos pelo presidente George W. Bush na invasão do país árabe podem levar a uma guerra sem fim, e que nenhum comandante-em-chefe responsável teria ido à guerra sabendo que Saddam Hussein não tinha armas de destruição em massa, nem era uma ameaça iminente para os EUA. "No entanto, o presidente George W. Bush disse recentemente que voltaria a fazer tudo de novo. Como pode falar sério?", disse Kerry, num discurso na Universidade de Nova York. "Saddam era um ditador brutal que merece seu lugar especial no inferno", prosseguiu o candidato. "Mas essa não poderia ser, em si, a razão para declarar uma guerra. A satisfação que nos proporciona sua queda não pode ocultar um fato: trocamos a deposição de um ditador por um caos que deixa os EUA menos seguros." Para Kerry, a Casa Branca cometeu "erros monumentais de discernimento, e discernimento é o que se espera de um presidente". O discurso de Kerry foi alvo das ironias de Bush. "Meu adversário despertou esta manhã e decidiu que não, não deveríamos invadir o Iraque, depois de ter dito no mês passado que teria votado em favor do uso da força, apesar de tudo o que sabemos agora", discursou. Em meio à guerra de palavras, as assessorias dos dois candidatos acertaram um acordo preliminar para a realização de três debates de 90 minutos cada, nos dias 30 de setembro, 8 e 13 de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.