Mike Theiler/Reuters
Mike Theiler/Reuters

Kerry diz que teme apoio militar russo ao regime de Assad

Para secretário de Estado, posição russa pode agravar o conflito na Síria e causar mais mortes, além de aumentar o fluxo de refugiados

O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2015 | 11h13

ROMA - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, disse que está preocupado com o apoio militar da Rússia ao regime do presidente sírio, Bashar Assad, pois isso poderia agravar o conflito no país, segundo uma entrevista publicada nesta quarta-feira, 23, pelo jornal italiano La Stampa.

Kerry explicou que os Estados Unidos já manifestaram sua preocupação ao ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, e acrescentou que o apoio militar pode causar "maior perda de vidas, aumentar o fluxo de refugiados, além do risco de criar um conflito com a coalizão que luta contra o Estado Islâmico".

"A brutalidade do regime, que é apoiado pela Rússia, alimentou o crescimento do extremismo. Ou seja, justamente o oposto do objetivo declarado por Moscou, que quer uma maior ação internacional contra o EI", lembrou Kerry.

Na entrevista, o chefe da diplomacia americana falou do "enorme desafio" que a Europa está enfrentando com a chegada dos refugiados. Ele também lembrou que os Estados Unidos destinaram US$ 4.1 bilhões à ajuda humanitária desde o início da crise na Síria, e que o governo decidiu acolher pelo menos 10 mil imigrantes sírios em 2016. 

O chanceler Sergei Lavrov disse nesta quarta-feira que os Estados Unidos estavam cada vez mais receptivos à posição de Moscou com relação ao conflito da Síria. /EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.