Kerry e Lavrov se reunirão na 5ª feira em Genebra

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, viajará a Genebra na quinta-feira para se reunir com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, para discutir a possibilidade de um acordo sobre o futuro dos arsenais de armas químicas da Síria.

AE, Agência Estado

10 de setembro de 2013 | 17h21

A informação sobre o encontro foi divulgada por uma fonte no Departamento de Estado norte-americano pouco depois de os sírios admitirem pela primeira vez em público que possuem armas químicas e terem se comprometido a submetê-las a controle internacional e parar de produzi-las.

A viagem dos chanceleres à Suíça é o mais recente de uma onda de desdobramentos iniciada na véspera, quando a Rússia propôs submeter as armas químicas existentes na Síria a controle internacional e o governo do país árabe aceitou.

Segundo a fonte, Kerry e Lavrov buscarão um acordo sobre os termos de uma resolução no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Pouco antes do anúncio da viagem, o CS da ONU cancelou uma reunião de emergência convocada a pedido da Rússia que deveria ocorrer no fim da tarde de hoje. O encontro a portas fechadas estava marcado para as 16h locais em Nova York (17h em Brasília). No meio da tarde, porém, o embaixador australiano na ONU, Gary Guinlan, escreveu em sua conta no microblog Twitter que a reunião foi cancelada "após a retirada do pedido de consultas".

Pouco antes da notícia de a Rússia convocar a reunião a portas fechadas, a França apresentou uma proposta de resolução considerada "inaceitável" por Moscou.

O governo russo rejeita a afirmação, inserida na proposta francesa de resolução, de que o governo da Síria seria responsável pelo ataque com armas químicas que deixou centenas de mortos em Ghouta, nos arredores de Damasco, na madrugada de 21 agosto.

Estados Unidos, França e Reino Unido acusam o governo sírio pelo ataque. Damasco nega. Uma missão de inspetores da ONU que investigou o caso ainda não divulgou suas conclusões.

Por meio de nota, a chancelaria russa informou que Moscou apresentaria sua própria proposta de resolução para estabelecer um controle internacional sobre as armas químicas na Síria.

O governo sírio declarou apoio à iniciativa russa, divulgada ontem, para que as armas químicas presentes no país sejam colocadas sob controle internacional para posterior destruição. Fontes: Dow Jones Newswires e Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
SíriadiplomaciaKerryLavrov

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.