Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Kerry elogia governo sírio por início da destruição de armas químicas

Secretário de Estado americano considerou destruição de arsenal um 'bom começo'

O Estado de S. Paulo,

07 de outubro de 2013 | 12h48

NUSA DUA, INDONÉSIA - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, afirmou nesta segunda-feira, 7, que o início da destruição das armas químicas da Síria é um "bom começo" e, em um elogio incomum a Damasco, Kerry deu crédito ao governo do presidente Bashar Assad por rapidamente concordar com a resolução da ONU sobre a destruição do arsenal químico.

"Eu acho que é extremamente significante que ontem (domingo), com uma semana desde a aprovação da resolução, algumas armas químicas já estavam sendo destruídas", disse Kerry em uma coletiva de imprensa conjunta com o chanceler russo, Sergei Lavrov, durante uma cúpula da Ásia e Pacífico na ilha de Bali, Indonésia.

"Eu acho que também há crédito para o regime de Assad por ter entrado em conformidade rapidamente, assim como é esperado deles". Kerry afirmou que Washington e Moscou concordaram em pressionar a ONU a marcar uma data em novembro para a conferência de paz sobre a Síria.

O secretário de Estado ressaltou que as negociações com a Síria devem continuar. "Agora, esperamos que continuem. Não vou atestar hoje sobre aquilo que vai acontecer daqui a meses, mas é um bom começo, e devemos acolher um bom começo."

Uma equipe de especialistas internacionais da Organização para a Proibição de Armas Químicas e funcionários da ONU começaram a destruição do arsenal químico sírio no domingo. O trabalho deles é parte do acordo fechado entre EUA e Rússia após o ataque com armas químicas nos subúrbios de Damasco em 21 de agosto, que deixou mais de 1.400 mortos.

Em resposta, os EUA ameaçavam realizar ataques aéreos contra o governo sírio. A eliminação das armas químicas deve continuar até pelo menos meados de 2014./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
Síriaarmas químicasEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.