Kerry estenderá por mais um dia viagem ao Oriente Médio

O secretário de Estado norte-americano John Kerry decidiu permanecer um dia a mais no Oriente Médio para tenta salvar as negociações de paz entre Israel e palestinos. Em entrevista conjunta à redes de televisão israelense e palestina, que irá ao ar mais tarde nesta quinta-feira, ele disse que planeja voltar a Israel na sexta-feira para outra reunião com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

Agência Estado

07 de novembro de 2013 | 09h57

Kerry chegou nesta quinta-feira a Amã, na Jordânia, que até então seria a última parada de sua viagem pelo Oriente Médio. Na capital jordaniana, ele se declarou "satisfeito" com suas discussões com os líderes israelense e palestino desta semana.

"Chegamos a algum esclarecimento sobre alguns pontos", disse Kerry ao rei Abdullah II em Amã, após reunir-se com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, e com o presidente palestino Mahmoud Abbas, em Belém, na Cisjordânia, na quarta-feira.

Kerry vai se encontrar com Abbas novamente na noite desta quinta-feira em Amã e então retornar a Jerusalém na sexta-feira, para a terceira reunião com Netanyahu em dois dias, antes de continuar sua viagem pelo Oriente Médio e norte da África.

O secretário de Estado intermediou o recomeço das negociações de paz, que tiveram início três meses atrás. Mas pouco progresso foi alcançado nas negociações, cujo objetivo é chegar a um acordo até o final de 2014.

Kerry tem sido alvo de reclamações dos dois lados durante a viagem, mas tenta manter o tom otimista. Na quarta-feira, ele disse que qualquer negociação "tem momentos de alta e momentos de baixa".

As tensões aumentaram depois de os palestinos terem dito que uma sessão secreta de negociações terminou na terça-feira por causa de uma disputa a respeito da construção de assentamentos por Israel.

O impasse deu origem a especulações de que os Estados Unidos podem ter de elevar seu envolvimento nas negociações e apresentar seu próprio projeto para um acordo ou reduzir as expectativas ou tentar um acordo mais limitado e provisório. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.