Kerry: houve progresso tangível nas negociações com Irã

As intensas negociações com o Irã resultaram em "progresso tangível, declarou nesta terça-feira o secretário de Estado norte-americano John Kerry, afirmando porém que lacunas significativas permanecem, a poucos dias do prazo de 20 de julho que havia sido estabelecido a tomada de medidas para conter as atividades nucleares de Teerã em troca do fim das sanções impostas ao país.

Agência Estado

15 de julho de 2014 | 11h36

Kerry, que se juntou ao grupo formado pelos ministros de Relações Exteriores do Reino Unido, França e Alemanha no final de semana para acrescentar "musculatura diplomática" às negociações, disse que as conversas continuarão pelo menos até o próximo domingo. Nesse meio tempo, afirmou, vai realizar consultas com o presidente Barack Obama e o Congresso norte-americano.

"Embora exista um caminho a seguir, o Irã precisa escolher trilhá-lo", disse Kerry, acrescentando que acredita que os dois lados podem determinar "os contornos precisos desse caminho".

As declarações foram feitas após várias conversas com o ministro de Relações Exteriores iraniano, Mohammed Javad Zarif, e encontros separados com ministros ocidentais.

A principal controvérsia é sobre o programa de enriquecimento de urânio do Irã. Teerã diz que precisa estender seu programa de enriquecimento para produzir combustível para seu reator, mas os Estados Unidos temem que Teerã possa redirecionar os trabalhos para a produção de ogivas nucleares para mísseis.

Os Estados Unidos querem um profundo corte no enriquecimento de urânio iraniano por pelo menos 20 anos. O Irã quer expandir o enriquecimento em menos de uma década.

Kerry não detalhou suas conversas com Zarif. Mas um diplomata ligado às negociações disse que eles se concentraram não apenas no enriquecimento, mas também em outras questões, dentre elas como reduzir os perigos da proliferação de um reator que pode produzir quantidades substanciais de plutônio quando concluído. Como o urânio enriquecido, o plutônio pode ser usado para fabricar armas nucleares.

É possível uma extensão de seis meses para as negociações, se houver acordo mútuo e as declarações de Kerry parecem sinalizar que Washington vai concordar com a medida. O secretário de Estado disse que os Estados Unidos estão comprometidos com o "curso diplomático" das negociações sobre o programa nuclear iraniano. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãnuclearKerrynegociações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.