Kerry: insurgentes sírios podem ajudar no Iraque

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, sinalizou que Washington espera recrutar combatentes moderados da oposição síria para enfrentar militantes extremistas no Iraque.

AE, Agência Estado

28 de junho de 2014 | 10h42

"Obviamente, à luz do que aconteceu no Iraque, temos ainda mais o que falar em termos da oposição moderada na Síria, que tem a capacidade de ser um agente muito importante em pressionar a presença do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) e para tê-los não apenas na Síria, mas também no Iraque", disse Kerry no início de uma reunião com o líder da oposição síria, Ahmad al-Jarba.

Um alto funcionário do Departamento de Estado que está viajando com Kerry disse, mais tarde, que o secretário não quis insinuar que os rebeldes sírios realmente atravessarão a fronteira para lutar no Iraque. O oficial não estava autorizado a informar os repórteres seu nome e falou sob condição de anonimato.

Na quinta-feira, o presidente dos EUA, Barack Obama, enviou ao Congresso um pedido de US$ 500 milhões para um programa do Pentágono que deve expandir significativamente esforços para armar os rebeldes que lutam contra os extremistas sunitas e contra as forças leais ao presidente sírio, Bashar Assad.

Se aprovado pelos congressistas, o programa em vigor abre uma segunda frente na luta contra os militantes do EIIL, que estão atravessando a fronteira para a Síria e ameaçam a estabilidade no Iraque.

Al-Jarba agradeceu à administração Obama por pedir os US$ 500 milhões, mas disse que seus combatentes querem mais ajuda de estrangeiros para combater em duas frentes: contra a insurgência iraquiana e contra o governo de Bashar Assad.

"Nós ainda precisamos de uma assistência maior", disse al-Jarba e acrescentou que espera "uma cooperação maior com os EUA". O líder afirmou também que o general Abdullah al-Bashir, o chefe da ala militar da oposição síria, "está disposto a cooperar com os EUA". Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EUAIraqeSíriarebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.