Kerry se reúne com Netanyahu e Abbas para debater processo de paz

Lados divergem sobre construção de assentamentos por Israel ao mesmo tempo que liberta prisioneiros palestinos

O Estado de S. Paulo,

06 de novembro de 2013 | 16h34

CISJORDÂNIA - Em encontro com o secretário de Estado americano, John Kerry, para debater os próximos passos do processo de paz com os palestinos, o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, declarou que as negociações fracassaram na obtenção de qualquer progresso real.

O quadro dado por Netanyahu nesta quarta-feira, 6, é similar ao esboçado por dirigentes palestinos, que vêm dizendo que o plano israelense anunciado na semana passada de construir mais 3.500 casas na Cisjordânia ocupada é um grande obstáculo ao sucesso das negociações.

Diante das avaliações negativas, Kerry afirmou que o governo americano não está desistindo de um acordo. "Como em qualquer negociação, haverá momentos altos e baixos e ela anda para frente e para trás", disse Kerry após encontrar o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. "Mas eu posso lhes dizer que o presidente (Barack) Obama e eu estamos determinados, e nenhum de nós vai interromper os nossos esforços de perseguir a possibilidade (de paz)."

Kerry, cuja diplomacia da mediação ajudou a reviver as conversações em julho, depois de três anos de interrupção, fixou um período de nove meses como meta para um acordo, mesmo havendo amplo pessimismo entre israelenses e palestinos.

Poucos detalhes emergiram das negociações, realizadas sem prévio anúncio e em locais secretos, em conformidade com o compromisso de evitar vazamentos de informação. Mas as autoridades palestinas vêm expressando sua frustração com a falta de iniciativas em assuntos centrais, como a questão de fronteiras, acordos sobre segurança e o destino dos refugiados palestinos.

Atritos em público entre os dois lados se concentram nas medidas israelenses para construir mais casas em regiões ocupadas ao mesmo tempo que o país liberta prisioneiros palestinos. Israel já libertou metade dos 104 palestinos que prometeu soltar depois que Kerry convenceu Abbas a retornar às negociações.

Os palestinos se irritaram com a afirmação de Israel de que, na realidade, eles concordaram em fechar os olhos para as obras nos assentamentos, em terras nas quais querem estabelecer seu Estado, em troca da libertação de homens presos há muito tempo, condenados pela morte de israelenses./ REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.