Kevin Wolf / AP - 7/01/2015
Kevin Wolf / AP - 7/01/2015

Kerry vai ao Paquistão para reforçar cooperação contra o terrorismo

John Kerry chega com a missão de pressionar o governo local a reforçar sua liderança na luta contra o extremismo

O Estado de S. Paulo

12 de janeiro de 2015 | 15h45

O secretário de Estado americano, John Kerry, chegou nesta segunda-feira, 12, ao Paquistão com a missão de pressionar o governo local a reforçar sua liderança na luta contra o extremismo.

Kerry foi recebido no país pelo ministro das Relações Exteriores paquistanês, Sartaj Aziz, e se encontrou com o primeiro-ministro, Nawaz Sharif. O secretário americano pediu aos paquistaneses que reforcem o combate a todos os grupos extremistas no país, particularmente após o ataque devastador do Taleban a uma escola em Peshawar, no último mês, em que mais de 150 pessoas morreram. A fronteira do Paquistão e Afeganistão virou refúgio seguro para muitos grupos terroristas.

O governo de Sharif reforçou as operações contra grupos extremistas no mês passado, principalmente depois do ataque em Peshawar, mas os EUA querem mostras de um "esforço real e sustentável" para limitar as ações dos ramos afegão e paquistanês do Taleban, assim como da Rede Haqqani e do Laskhar e Tayyiba. Esses grupos ameaçam diretamente o Paquistão, Afeganistão e Índia, assim como aos interesse americanos na região.

O Paquistão enfrenta diversos obstáculos na luta contra o extremismo, entre eles uma rede de seminários e escolas religiosas que promovem uma ideologia radical, assim como um Judiciário falho que tem sido criticado por sua incapacidade em julgar e condenar suspeitos de terrorismo. No mês passado, a Índia reagiu com indignação à uma decisão da corte paquistanesa de liberar sob fiança o principal suspeito de comandar o ataque em Mumbai em 2008, que fez 166 vítimas, por falta de provas. O suspeito foi preso novamente.

O país ainda é acusado de fazer um jogo duplo com relação aos diversos grupos que operam à partir de seu território, ajudando os que atacam Afeganistão e Índia ao mesmo tempo que persegue os que lutam contra o Estado paquistanês.

De acordo com oficiais norte-americanos, Kerry deve usar as reuniões para tentar fortalecer os laços comerciais entre Paquistão e Afeganistão e também tentar diminuir as tensões entre paquistaneses e indianos, que aumentaram nas últimas semanas por causa de pequenas escaramuças na região da Caxemira. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EUAJohn KerryPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.