Kerry visita China e recebe promessa de apoio contra crise

Em visita ontem a Pequim, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, recebeu garantias de que a China "trabalhará pela desnuclearização da Península Coreana". Os chineses são os principais aliados do regime de Kim Jong-un e Washington quer que Pequim exerça maior pressão sobre a Coreia do Norte para encerrar a escalada de tensão das últimas semanas.

O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2013 | 02h04

O encontro entre as autoridades, na capital chinesa, ocorreu enquanto crescem os temores de que Pyongyang lançará um míssil amanhã, durante as celebrações em memória ao aniversário de 101 anos de Kim Il-sung, o fundador do país.

Ao receber o secretário de Estado dos EUA, o chanceler chinês, Yang Jiechi, afirmou que a China trabalhará com os americanos para convencer o regime norte-coreano a desistir das armas nucleares. As duas potências, disse Yang, têm "responsabilidades compartilhadas" para evitar a ampliação das tensões no extremo leste da Ásia.

Kerry afirmou que os EUA desejam negociar diretamente com Pyongyang, mas sob a condição de que Pyongyang aceite a ideia de eventualmente abandonar seu programa nuclear militar. Na semana passada, o regime norte-coreano afirmou que seu arsenal atômico "não será objeto de barganha nem chantagens" e prometeu mantê-lo a todo custo. O secretário de Estado declarou ainda que apoia o diálogo direto entre as duas Coreias. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.