Khadafi faz apelo para que civis e líderes tribais 'salvem' Trípoli

Um líder rebelde afirmou que o filho de Khadafi, Saif al-Islam, foi capturado na capital.

BBC Brasil, BBC

21 de agosto de 2011 | 21h30

Em sua segunda mensagem em áudio divulgada neste domingo, o coronel Muamar Khadafi fez um apelo aos líderes tribais da Líbia para que se dirigissem até a capital, Trípoli, para defendê-la dos rebeldes.

Em seu pronunciamento, Khadafi disse que seu pedido se estendia a toda a população que vive nas regiões próximas à Trípoli. Ele fez ameaças, dizendo que as pessoas que não obedecerem a suas ordem serão tratadas como "seguidores dos invasores franceses" e alertou que o imperialismo britânico seria reinstaurado no país.

No comunicado anterior, Khadafi prometeu não abandonar Trípoli, dizendo que ficaria na cidade para lutar até o fim.

Prisioneiro de guerra

No entanto, o cerco a Trípoli está se fechando, com uma intensa batalha em boa parte da cidade e relatos de soldados desertando.

Um líder rebelde afirmou que o filho de Khadafi, Saif al-Islam, foi capturado na capital. A informação não pode ser confirmada por fontes independentes.

O governo líbio confirmou que os rebeldes avançaram em Trípoli e, segundo o porta-voz Moussa Ibrahim, 1.300 pessoas foram mortas na cidade apenas na tarde e noite deste domingo.

Pela manhã, centenas de rebeldes líbios entraram na capital, Trípoli, vindos de cidades conquistadas no oeste do país.

Forças antigoverno já haviam tomado o controle de postos militares nas vias de acesso a oeste de Trípoli, onde pegaram armas e munições.

Os rebeldes afirmaram que há centenas de novos combatentes chegando à capital, vindos do oeste do país.

Eles foram saudados por uma multidão de civis nas ruas, que gritavam frases contra o regime de Muamar Khadafi e agitavam a bandeira dos rebeldes.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.