Khatami diz que Irã ajuda na guerra contra o terror

O presidente iraniano, Mohammad Khatami, que visita o Afeganistão pela primeira vez, disse hoje que seu governo entregou detidos a outros países diante da menor suspeita de que estivessem vinculados à rede terrorista Al-Qaeda. Khatami confirmou versões de que o Irã deportou supostos membros da Al-Qaeda a Arábia Saudita e negou as críticas americanas de que seu país não fez o suficiente na guerra contra o terrorismo. "Temos uma experiência mais prolongada que os americanos na luta contra o terrorismo", disse ele durante uma entrevista coletiva concedida junto ao presidente afegão, Hamid Karzai. "Todas as nações do mundo deveriam se unir à sombra das Nações Unidas para combater o terrorismo", afirmou. Em uma alusão aos Estados Unidos, o líder iraniano disse que "a luta contra o terrorismo não deveria significar a imposição unilateral da vontade de um país sobre outras nações do mundo". A visita de Khatami é a primeira de um chefe de Estado iraniano ao Afeganistão em 40 anos. Ela servirá principalmente para que o Irã ofereça um pacote de ajuda de US$ 500 milhões a Cabul e busque a colaboração afegã para bloquear a produção e tráfico de ópio. Desde a guerra americana ao regime afegão do Taleban e seus aliados da Al-Qaeda, há vários meses, alguns funcionários americanos acusam o Irã de permitir que membros da Al-Qaeda entrem em seu território. Mas as autoridades sauditas afirmam que o Irã lhes entregou 16 suspeitos de pertencerem à rede terrorista, a pedido do reino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.