Khatami toma posse após crise constitucional

O presidente Mohammad Khatami foi empossado hoje para um segundo mandato de quatro anos, parecendo incomumente amargurado enquanto prometia continuar comprometido com políticas reformistas. Depois de prestar juramento, Khatami criticou "velhas e superficiais" interpretações impostas em nome do Islã. Ele foi interrompido diversas vezes por aplausos e gritos de encorajamento, especialmente depois de dizer que pretende livrar a cena política da violência, ódio e acusações infundadas.A cerimônia foi realizada no Parlamento um dia depois que aliados de Khatami no congresso dominado pelos reformistas se curvaram a conservadores que bloqueavam a posse, permitindo que eles preenchessem cadeiras vagas num poderoso órgão de fiscalização. A disputa foi o último capítulo de uma luta pelo poder entre reformistas e conservadores que tem bloqueado muitos dos planos de Khatami de amenizar normas social e política."Estou tomando posse para renovar minha promessa a uma nação que uma vez mais me elegeu com os olhos abertos apesar dos problemas e crises criados", afirmou Khatami. "Temos pago um alto preço por buscarmos esse caminho?. Khatami, de 58 anos, foi reeleito em 8 de junho com 77 por cento dos votos. O chefe do judiciário, aiatolá Mahmoud Hashemi Shahroudi, presidiu a cerimônia, que foi acompanhada pelos principais líderes políticos, militares e religiosos do Irã, além dos membros do parlamento e do conservador Conselho dos Guardiães.Khatami não sorriu durante toda a cerimônia, algo incomum para o presidente em qualquer acontecimento. O clérigo moderado que chegou à presidência pela primeira vez em 1997 disse que suas prioridades continuarão sendo a implementação da "democracia islâmica" e a institucionalização do estado de direito. A estrita interpretação do Islã pelos conservadores tem imposto restrições políticas e sociais a uma nação que apóia decididamente os esforços de reforma de Khatami. Apesar de terem visto diminuir o apoio a eles nos últimos cinco anos, linhas-duras têm conseguido manter o controle de instituições-chave, como o judiciário e o Conselho dos Guardiães.A posse de Khatami e seus esforços para nomear um novo ministério foram adiados por três dias porque o Parlamento rejeitava indicações do judiciário para duas cadeiras vagas no Conselho dos Guardiães, de 12 membros. Pela constituição, o Conselho dos Guardiães tem de estar presente na cerimônia de posse. Khamenei, que tem a palavra final em todas as questões, ordenou uma votação na terça-feira que permitiu a aprovação dos nomes dos advogados escolhidos pelos conservadores para o conselho, viabilizando então a realização da cerimônia de posse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.