Kim diz na Rússia que Pyongyang negocia plano nuclear

O governante da Coreia do Norte, Kim Jong Il, disse nesta quarta-feira que seu país está pronto a impor uma moratória sobre os testes nucleares e sua produção de armamentos atômicos se as negociações internacionais sobre o programa nuclear norte-coreano forem retomadas. Kim deu as declarações durante uma visita ao presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, em Ulan-Ude, na república russa da Buryatia, no leste da Sibéria.

AE, Agência Estado

24 de agosto de 2011 | 15h27

Kim, no entanto, não fez nenhuma declaração sobre o mais recente ponto de preocupação entre os países que discutiam a questão nuclear norte-coreana: a revelação sobre o programa de enriquecimento de urânio da Coreia do Norte.

A porta-voz da presidência russa, Natalya Timakova, disse à agência russa de notícias Itar-Tass que Kim expressou boa vontade em voltar às negociações nucleares sem pré condições. "No curso das conversas, a Coreia do Norte estará pronta a resolver a questão de também impor uma moratória aos testes e à produção de mísseis para transportar armas nucleares".

A Coreia do Norte prometeu congelar seu programa de desenvolvimento de mísseis em 1999, mas conduziu vários testes balísticos desde então e em 2009 lançou um míssil de médio alcance. O regime norte-coreano também conduziu dois testes nucleares, o mais recente em 2009.

As negociações para interromper o programa nuclear, conduzidas pelos seis países (Coreia do Sul, Japão, China, Estados Unidos, Rússia e Coreia do Norte) entraram em colapso em dezembro de 2008. Pressionada por problemas econômicos profundos e atingida por sanções das Nações Unidas, a Coreia do Norte volta a pedir a retomada das negociações.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.