KCNA via REUTERS
KCNA via REUTERS

Kim diz que míssil foi 'presente de 4 de Julho' para EUA

Líder norte-coreano afirma que confronto com EUA entrou na 'fase final'

O Estado de S.Paulo

04 Julho 2017 | 23h07

PYONGYANG - Depois de supervisionar o lançamento pessoalmente, o líder norte-coreano, Kim Jong-un disse, segundo a agência oficial da Coreia do Norte, que "os bastardos americanos não vão ficar muito contentes com esse presente enviado pelo aniversário de 4 de Julho". Rindo, o líder norte-coreano acrescentou que "deveria enviar presentes de vez em quando para ajudá-los a sair do tédio".

A agência KCNA disse que o míssil balístico intercontinental da Coreia do Norte é capaz de carregar uma "carga grande e pesada", e afirmou, citando Kim,  que o confronto com os Estados Unidos entrou em sua "fase final".

O míssil, lançado nesta terça-feira em um momento decisivo nas ambições armamentistas de Pyongyang, seria capaz de alcançar o Alasca, de acordo com especialistas.

A Coreia do Norte garante possuir uma tecnologia de ICBM - progresso que o presidente Donald Trump prometeu que "não aconteceria" - representa um marco para o regime comunista.

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, confirmou que a Coreia do Norte fez, pela primeira vez, um teste de míssil balístico intercontinental. "Os Estados Unidos condenam fortemente o lançamento pela Coreia do Norte de um míssil balístico intercontinental. Testar um ICBM representa uma nova escalada na ameaça aos Estados Unidos, aos nossos aliados e parceiros, à região e ao mundo".

O secretário acrescentou que os Estados Unidos "nunca aceitarão uma Coreia do Norte armada com aparato nuclear".  Tillerson chamou o governo de Pyongyang de "um regime perigoso" e disse que Washington tomará "fortes medidas" no Conselho de Segurança da ONU para responsabilizar os norte-coreanos pelo teste.

O Conselho de Segurança deve se reunir na quarta-feira para uma sessão de emergência, a portas fechadas, para analisar a situação.

A União Europeia disse que poderá impor novas sanções à Coreia do Norte, depois de ter ampliado no mês passado sua lista de dirigentes e entidades castigados por Bruxelas. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.