Korean Central News Agency/Korea News Service via AP
Korean Central News Agency/Korea News Service via AP

Kim e Putin terão primeira cúpula de chefes de Estado na quinta-feira

O líder norte-coreano viaja de trem particular para o extremo leste da Rússia; reunião será em Vladivostok

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2019 | 21h46

MOSCOU - O líder norte-coreano, Kim Jong-un, viajou à Rússia na noite desta terça-feira, 23, (manhã de quarta-feira pelo horário local) para sua primeira cúpula com Vladimir Putin, informou a mídia estatal coreana.

Kim, acompanhado por uma delegação de alto nível, viaja de trem particular para a Rússia, informou a agência de notícias oficial KCNA, sem especificar seu destino final.

O Kremlin disse nesta terça-feira que os dois se reunirão na cidade de Vladivostok, no extremo leste da Rússia, na quinta-feira.

"Nosso presidente terá conversações na quinta-feira com o líder norte-coreano Kim Jong-un", afirmou à imprensa Yuri Ushakov, um  conselheiro do Kremlin.

O encontro, o primeiro entre os dois chefes de Estado, é um "acontecimento-chave nas relações bilaterais" entre os países, completou.

De acordo com a agência russa Ria Novosti, o trem de Kim chegará à estação de Vladivostok na quarta-feira às 18h (local).

O líder norte-coreano tem o hábito de viajar para reuniões internacionais em países vizinhos em um trem especial blindado.

A agência oficial norte-coreana KCNA havia anunciado que Kim faria "uma visita em breve à Rússia a convite do presidente Putin".

"A reunião estará concentrada na resolução político-diplomática do problema nuclear na Península Coreana", disse Ushakov, antes de acrescentar que a "Rússia tem a intenção de respaldar de todas as formas possíveis as tendências positivas" neste âmbito.

As expectativas sobre a reunião não pararam de aumentar desde que o Kremlin anunciou na semana passada que os dois governantes se encontrariam na Rússia "na segunda metade do mês abril".

Em Vladivostok, um importante porto russo às margens do Pacífico, situado a quase 200 quilômetros da fronteira com a Coreia do Norte, bandeiras russas e norte-coreanas foram hasteadas nas ruas.

Será a primeira reunião entre governantes dos dois países desde que Kim Jong-Il - pai do atual líder norte-coreano - se reuniu com o então presidente e atual primeiro-ministro Dmitri Medvedev há oito anos.

A Rússia mantém relações amistosas com Pyongyang e fornece ajuda alimentar à Coreia do Norte. Putin já havia manifestado o interesse em uma reunião com o dirigente norte-coreano.

O encontro acontecerá menos de dois meses depois da segunda reunião entre Kim e o presidente americano, Donald Trump, organizada em Hanói, que terminou sem acordo sobre o destino do arsenal nuclear norte-coreano.

Após um ano de 2018 marcado por uma grande aproximação entre as duas Coreias e de uma primeira e histórica reunião entre Kim e Trump, a aproximação parece ter desaparecido, sobretudo após o fracasso do encontro em Hanói.

Kim se reuniu quatro vezes com o presidente chinês, Xi Jinping, no período de um ano, mas analistas apontam que ele está buscando um apoio maior e mais diverso ante Washington.

Kim também se reuniu três vezes com o presidente sul-coreano Moon Jae-in e uma vez com o presidente do Vietnã desde março de 2018.

Moscou defende um diálogo com Pyongyang que se baseia em um plano definido pela China e a Rússia. O país já pediu o alívio das sanções internacionais contra a Coreia do Norte, enquanto o governo dos Estados Unidos acusa Moscou de tentar ajudar Pyongyang a evitar algumas medidas. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.