Korean Central News Agency/Korea News Service via AP
Korean Central News Agency/Korea News Service via AP

Kim ficou ‘profundamente comovido’ com o show de artistas sul-coreanos em Pyongyang

Segundo a agência de notícias 'KCNA', líder norte-coreano ‘expressou seu agradecimento mais profundo’ aos cantores

O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 10h19

SEUL - O dirigente norte-coreano, Kim Jong-un, afirmou que ficou "profundamente comovido" com o show de estrelas da música sul-coreana no domingo em Pyongyang, informou nesta segunda-feira, 2, a agência de notícias oficial KCNA.

+ Papa Francisco defende negociação com Coreia do Norte

+ Coreia do Sul e Estados Unidos iniciam suas manobras conjuntas

A presença de Kim e sua mulher, a ex-cantora Ri Sol-ju, na apresentação foi um fato inédito, pois o regime norte-coreano trabalha para impedir qualquer presença da cultura sul-coreana em seu território.

+ ONU amplia lista de sancionados por programa nuclear da Coreia do Norte

+ Encontro de Xi e Kim é novo desafio para os EUA

Kim, o primeiro líder norte-coreano a comparecer a um espetáculo organizado por sul-coreanos, apertou a mão dos artistas e "expressou seu agradecimento mais profundo", segundo a KCNA. "Declarou que estava profundamente comovido ao ver nosso povo aplaudir com sinceridade este espetáculo, enquanto aumentava seu conhecimento sobre a arte popular sul-coreana."

O show de domingo foi o episódio mais recente do rápido degelo das relações entre as duas Coreias, iniciado durante os Jogos Olímpicos de Inverno celebrados em fevereiro na cidade sul-coreana de Pyeongchang.

Durante o evento, Kim enviou ao Sul atletas e animadoras de torcida, além de sua irmã mais nova, em uma delegação especial. Desde então foram multiplicados os contatos diplomáticos entre as duas Coreias e também entre Pyongyang e Washington.

Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, se reunirão no dia 27 de abril, antes de um aguardado encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano.

O encontro intercoreano será o terceiro do tipo, depois das reuniões de 2000 e 2007. Nenhuma data foi estabelecida para uma eventual reunião entre Trump e Kim, que recentemente se reuniu em Pequim com o presidente chinês, Xi Jinping. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.