REUTERS/KCNA
REUTERS/KCNA

Kim Jong-un afirma pela primeira vez que Coreia do Norte possui tecnologia da bomba H

Declaração do líder norte-coreano é recebida com ceticismo por especialistas sul-coreanos, que não acreditam na capacidade do país vizinho em desenvolver essa arma altamente destrutiva

O Estado de S. Paulo

10 de dezembro de 2015 | 16h10

SEUL - O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, mencionou pela primeira vez que o país possui a bomba de hidrogênio, informou nesta quinta-feira, 10, a agência estatal de notícias "KCNA", mas especialistas sul-coreanos não acreditam que o país vizinho tenha capacidade para desenvolver essa arma altamente destrutiva.

O ditador afirmou que a Coreia do Norte "se transformou em um poderoso Estado possuidor de armas nucleares capaz de detonar de forma autossuficiente uma bomba atômica, e também uma bomba H, para defender eficazmente sua soberania e a dignidade da nação", publicou a KCNA em comunicado.

Kim Jong-un pronunciou essas palavras durante uma visita ao Espaço Revolucionário Phyongchon, na capital Pyongyang, um enclave histórico da indústria de armamentos do país por ter abrigado a primeira fábrica de munições, há seis décadas.

O líder de 32 anos reafirmou várias vezes que a Coreia do Norte possui armas nucleares e este recurso é o principal pilar de sua defesa para resistir aos supostos planos de invasão do país pelos Estados Unidos.

No entanto, analistas na Coreia do Sul indicaram nesta quinta que essa é a primeira vez que a Coreia do Norte diz ter a bomba de hidrogênio, um explosivo que pode multiplicar por milhares de vezes a potência de um míssil nuclear comum como os lançados sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945.

Já o Serviço Nacional de Inteligência (NIS) sul-coreano "não tem ciência" de que o regime de Kim Jong-un tenha desenvolvido a bomba de hidrogênio, indicou um de seus altos funcionários à agência Yonhap, em Seul.

Segundo o NIS, a "Coreia do Norte ainda não teve sucesso na miniaturização das bombas nucleares, por isso também não pode contar com a tecnologia para produzir uma bomba H", afirmou o funcionário, que qualificou como simples "retórica" o pronunciamento do líder norte-coreano.

No caso das bombas nucleares comuns, se sabe que o país comunista alcançou um alto desenvolvimento tecnológico e, de fato, realizou três detonações em 2006, 2009 e 2013 - o que resultou em sanções do Conselho de Segurança da ONU que proíbem atividades de comércio e de financiamento que contribuam para seu programa de armas - , mas continua sendo uma incógnita se é capaz ou não de miniaturizar os explosivos atômicos para instalá-los nas ogivas de seus mísseis. 

A Coreia do Norte, país comunista e pobre, e a Coreia do Sul, rico e democrático, permanecem tecnicamente em guerra desde o conflito de 1950-53, que terminou apenas com uma trégua, e não um tratado de paz. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Kim Jong-un

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.