AFP PHOTO / KOREA POOL
AFP PHOTO / KOREA POOL

Kim Jong-un comparece a show de artistas sul-coreanos em Pyongyang

Visita do grupo sul-coreano é o episódio mais recente de uma série de iniciativas de reconciliação, antes da reunião de cúpula entre o líder norte-coreano e o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2018 | 18h11

SEUL - O líder norte-coreano, Kim Jong-un, e sua mulher compareceram neste domingo, 1.º, ao primeiro show de artistas sul-coreanos em Pyongyang em mais de uma década, informou a agência de notícias Yonhap, que citou como fonte o Ministério da Cultura da Coreia do Sul.

+ Papa Francisco defende negociação com Coreia do Norte

+ Coreia do Sul e Estados Unidos iniciam suas manobras conjuntas

A visita de artistas da Coreia do Sul é o episódio mais recente de uma série de iniciativas de reconciliação, antes da aguardada reunião de cúpula entre Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, no dia 27 de abril.

+ ONU amplia lista de sancionados por programa nuclear da Coreia do Norte

+ Encontro de Xi e Kim é novo desafio para os EUA

O casal foi visto durante a apresentação de duas horas, à qual a poderosa irmã do líder, Kim Yo-jong, também compareceu.

Kim, que cumprimentou e tirou fotos com os artistas nos bastidores, afirmou que os eventos culturais entre as duas Coreias devem ser realizados com maior frequência, sugerindo que se faça outro na capital sul-coreana em alguns meses.

"Por favor, falem ao presidente Moon Jae-in sobre a grandeza de um ato como esse. Agradeço um presente assim para o povo de Pyongyang", disse Kim a funcionários sul-coreanos. Ele também demonstrou "grande interesse" pelas músicas dos cantores sul-coreanos durante o show, afirmou à imprensa Do Jong-hwan, ministro sul-coreano de Cultura e chefe da delegação.

O processo de reaproximação surge depois de vários anos de tensão, provocada pelos testes nucleares e de desenvolvimento de mísseis da Coreia do Norte, que resultaram em várias sanções da ONU.

Os Jogos Olímpicos de Inverno, organizados pela Coreia do Sul em fevereiro, marcaram um ponto de mudança para uma rápida distensão entre Norte e Sul. Kim enviou atletas e animadoras de torcida, além de sua irmã mais nova, para a cerimônia de abertura.

Depois do evento, os países prosseguiram com os intensos contatos diplomáticos que resultaram em propostas de reuniões de cúpula entre as Coreias e também entre Pyongyang e Washington.

O encontro intercoreano será o terceiro do tipo, depois das reuniões de 2000 e 2007. Nenhuma data foi estabelecida para uma eventual reunião entre o presidente americano, Donald Trump, e Kim Jong-un, que recentemente se reuniu em Pequim com o presidente chinês, Xi Jinping. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.