AP Photo / Alexander Zemlianichenko
AP Photo / Alexander Zemlianichenko

Cúpula deve contribuir para processo de desnuclearização, acreditam Putin e Kim

O presidente da Rússia classificou como 'substancial' o primeiro encontro com o líder norte-coreano. Ele agradeceu os esforços de Kim Jong-un para desenvolver o diálogo e normalizar as relações entre os dois países

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2019 | 04h20

VLADIVOSTOK - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, acreditam que as conversas da primeira cúpula vão contribuir para o processo de desnuclearização da península coreana e a normalização das relações entre as capitais Pyongyang e Seul. Durante a reunião, que ocorreu nesta quinta-feira, 25, Putin classificou como "substancial" o primeiro encontro com o líder norte-coreano.

"Agradecemos seus esforços para desenvolver o diálogo intercoreano e normalizar as relações entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos", disse Putin a Kim, no início da primeira cúpula entre os dois líderes, realizada na Universidade Federal do Distante Oriente, na Ilha Russky

O presidente russo expressou seu desejo de que a visita de Kim "sirva para desenvolver as relações bilaterais" e para melhor entender como eles podem resolver a situação na península coreana.

Kim Jong-un pediu ao presidente da Rússia que trabalhem em conjunto para resolver o problema da desnuclearização da península coreana."A situação é de grande interesse para toda a comunidade internacional. Espero que nossas conversas sejam um evento importante para avaliarmos essa situação em conjunto, trocarmos pontos de vista sobre a situação e como resolver esse problema juntos", disse o líder norte-coreano a Putin.

A cúpula é realizada depois do fracasso da reunião entre Kim e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Hanói, no Vietnã, no final de fevereiro.

O líder norte-coreano chegou à Vladivostok na manhã da última quarta-feira, 24. Ao falar com a imprensa, Kim disse que a sua ida ao país não será a última. "Estou feliz por estar em solo russo. É apenas o primeiro passo", afirmou minutos depois de cruzar a fronteira. O trem blindado do norte-coreano parou na estação ferroviária de Vladivostok às 18h (5h em Brasília), onde foi recebido com honras militares./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.