Anthony Wallace / AFP - 12/06/18
Anthony Wallace / AFP - 12/06/18

Kim Jong-un enviou mensagem a Donald Trump, diz Coreia do Sul

Líder da Coreia do Norte também pediu a Seul para entregar uma mensagem ao presidente americano; países enfrentam impasse diplomático sobre a promessa de desnuclearização da península coreana

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 03h47

SEUL - O líder norte-coreano Kim Jong-un enviou uma mensagem que será entregue nesta semana ao presidente Donald Trump, informou o gabinete presidencial da Coreia do Sul. Nesta quinta-feira, 6, representantes das duas Coreias se reuniram para discutir os avanços na promessa de desnuclearização e os detalhes da terceira cúpula intercoreana, que será realizada entre os dias 18 e 20 deste mês.

Segundo o porta-voz do governo sul-coreano, a mensagem a Trump será entregue nesta semana. O teor da mensagem não foi revelado ao público e será discutido entre o assessor de segurança nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, e seu homólogo americano, John Balton, nesta quinta, 6. Segundo o porta-voz do governo, Kim disse que ainda acredita na capacidade do presidente Donald Trump conseguir superar o impasse diplomático envolvendo Pyongyang e Washington.

De acordo com Chung, o líder norte-coreano disse não ter feito nenhuma crítica aos Estados Unidos e que deseja dar fim às relações hostis entre os dois países.

Kim se encontrará com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, entre os dias 18 e 20 de setembro em meio a um impasse diplomático entre Pyongyang e Washington. Desde o encontro entre Kim e Trump em junho, o governo americano diz não ter visto progresso suficiente na promessa de desnuclearização. Há três semanas, Trump cancelou a viagem agendada de seu secretário de Estado, Mike Pompeo, à Pyongyang, estremecendo as relações entre os países.

Para mediar a situação, a Coreia do Sul enviou seu assessor de segurança nacional Chung Eui-yong à Pyongyang. Ele se reuniu com representantes norte-coreanos nesta semana para chegar a acordos que viabilizem o fim do impasse. 

A tensa relação entre os EUA e a Coreia do Norte impediu progressos de Moon pela melhora das relações intercoreanas. Após o cancelamento da viagem de Pompeo, Moon se viu obrigado a adiar a abertura do escritório de representação do país em Pyongyang. No mês passado, forças militares também bloquearam a passagem de um trem sul-coreano que percorreria ferrovias do Norte para testar as condições da malha do regime. A modernização das linhas ferroviárias foi uma das promessas que Moon fez a Kim se concordasse pela desnuclearização.

A cúpula intercoreana deste mês será a terceira deste ano e a primeira na qual o presidente da Coreia do Sul visita a capital norte-coreana em dez anos. //ASSOCIATED PRESS, THE NEW YORK TIMES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.