Korean Central News Agency/Korea News Service via AP
Korean Central News Agency/Korea News Service via AP

Kim Jong-un ordenou aumento na produção de motores de foguetes e ogivas nucleares, diz agência local

Reportagem da ‘KCNA’ não apresentou as tradicionais ameaças aos EUA; Trump afirmou que Pyongyang ‘está começando a respeitar’ os americanos

O Estado de S.Paulo

23 Agosto 2017 | 08h38

SEUL - O líder norte-coreano, Kim Jong-un, ordenou a produção de mais motores de foguetes de combustível sólido, disse a mídia estatal nesta quarta-feira, 23, à medida que o regime prossegue com seus programas nuclear e de mísseis em meio a um impasse com os EUA, mas houve sinais de alívio das tensões.

A reportagem da agência de notícias KCNA, sobre uma visita de Kim a um instituto químico, foi publicada pouco depois que o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, pareceu se mostrar aberto à paz, elogiando o que chamou de recente contenção mostrada pela Coreia do Norte.

Kim foi orientado sobre o processo de produção de pontas de ogivas nucleares para mísseis balísticos intercontinentais e de motores de foguetes de combustível sólido, durante sua visita ao Instituto de Material Químico da Academia de Ciência de Defesa, disse a agência.

"Ele instruiu o instituto a produzir mais motores de foguetes de combustível sólido e pontas de ogivas nucleares de foguetes ao expandir ainda mais o processo de produção de motores e a capacidade de produção de pontas de ogivas nucleares de foguetes e jatos de motor com material de carbono", informou a KCNA.

A reportagem não apresentou as tradicionais ameaças robustas contra Washington após semanas de acentuadas tensões, e o presidente americano, Donald Trump, expressou otimismo sobre uma possível melhora nas relações bilaterais.

"Eu respeito o fato de que ele está começando a nos respeitar", disse o republicano sobre Kim em um evento em Phoenix, no Estado de Arizona. "E talvez - provavelmente não, mas talvez - algo positivo possa sair disso." / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.