Doug Mills/NYT
Doug Mills/NYT

Kim Jong-un perdeu peso e ninguém sabe como nem por quê

Saúde de líder, assim como o próprio regime norte-coreano, está envolta em tamanho segredo que os especialistas muitas vezes descobrem pistas fazendo um trabalho de adivinhação

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2021 | 12h00

SEOUL - Quando o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, reapareceu este mês após um hiato de quatro semanas longe do público, analistas externos e meios de comunicação começaram a estudar a mídia estatal em busca de pistas para explicar a ausência.

Imediatamente, eles notaram que Kim, de 37 anos, parecia mais magro do que antes. Depois de comparar as aparições do líder na televisão norte-coreana nos últimos meses, analistas notaram que a pulseira de couro marrom de seu relógio parecia um pouco mais apertada, sustentando a ideia de que ele havia perdido peso.

A saúde de Kim, assim como o próprio regime norte-coreano, está envolta em tamanho segredo que os especialistas muitas vezes descobrem pistas fazendo um trabalho de adivinhação. Ele teve um problema de saúde? Ou o ditador obeso do país mais isolado do mundo decidiu fazer dieta?

Essas perguntas — e a atenção obsessiva a detalhes como o relógio de pulso do líder — podem parecer fofoca de celebridade, mas os analistas defendem usar todas as informações disponíveis para tentar responder a uma pergunta mais séria: o que aconteceria com o arsenal nuclear da Coreia do Norte e seu povo, que foi ensinado a adorar Kim, se, de repente, ele ficasse incapacitado?

No fim de semana, a mídia estatal norte-coreana ofereceu sua própria versão sobre a perda de peso de Kim quando transmitiu em rede nacional a reação de pessoas comuns ao vê-lo em uma apresentação de arte.

“O que deixou as pessoas, inclusive eu, mais com o coração partido quando assistimos ao programa foi a aparência emagrecida do caro líder Kim Jong-un”, disse um norte-coreano de meia-idade à Korean Central Television. “Todo mundo diz que dificilmente conseguiria conter as lágrimas.”

Mesmo depois de sua perda de peso, Kim não é exatamente esbelto. Ele poderia pesar o dobro de um adulto norte-coreano, de acordo com analistas. Um estudo estimou que refugiados norte-coreanos pesavam cerca de 52 kg quando fugiram atingidos pela escassez de alimentos.

No Norte, onde todas as notícias são censuradas e escritas por propagandistas do governo, é incomum para a mídia estatal mencionar a aparência física de Kim. “Sua perda de peso foi tão visível que não havia como os norte-coreanos não perceberem”, disse Cheong Seong-chang, diretor do Centro de Estudos Norte-Coreanos do Instituto Sejong na Coreia do Sul. “O regime teve que confirmar o óbvio e sinalizar para o povo que tudo estava bem com o líder, a fim de evitar um boato de que sua saúde estava fora de controle.”

A Coreia do Norte ainda aproveitou a ocasião para fazer propaganda no momento em que o país enfrenta uma crescente escassez de alimentos. O regime queria mostrar ao povo que Kim tem lutado para guiar o país em meio a sanções, pandemia e desastres naturais, disse Cheong. Quando Kim compareceu à apresentação artística, ele vestiu uma camisa branca larga, como se quisesse destacar uma perda de peso altruísta.

Quando Kim assumiu o controle da Coreia do Norte após a morte de seu pai, Kim Jong-il, em 2011, acreditava-se que ele pesava 90 kg, segundo funcionários da inteligência sul-coreana. Mas eles disseram que Kim, com cerca de 1,70 m, continuou ganhando peso, chegando a 140 kg no ano passado.

A juventude do líder foi substituída por uma aparência cansada e inchada, levantando questões sobre sua saúde e o futuro da dinastia Kim. Ele não tem filho com idade suficiente para assumir o controle caso morra repentinamente. A Coreia do Norte é governada pela família Kim há três gerações.

Acredita-se que oficiais de inteligência sul-coreanos e americanos tenham obtido informações valiosas sobre a saúde de Kim quando ele se encontrou com o presidente Moon Jae-in, da Coreia do Sul, e o ex-presidente americano Donald Trump, em 2018 e 2019.

Quando Kim acompanhou o presidente sul-coreano em uma curta caminhada até o pico do Monte Baekdu, após um encontro em Pyongyang em 2018, ele parecia respirar com dificuldade, de acordo com imagens de vídeo da TV sul-coreana. Enquanto Moon, aos 68 anos, mal parecia suar.

"Você não está ficando sem fôlego?", Kim perguntou ao sul-coreano mais tarde, quando andavam de teleférico juntos.

“Estou bem,” respondeu Moon.

"Estou com tanta inveja de você", disse a esposa de Kim, Ri Sol-ju, que se juntou ao passeio.

Ri relatou a visitantes sul-coreanos que ela tentou persuadir o marido a parar com os maus hábitos, como o de fumar um cigarro atrás do outro. Na Coreia do Norte, ninguém exceto Ri pode dar esse conselho a Kim. Segundo analistas, ele teria executado em expurgos políticos funcionários de alto escalão, incluindo seu tio.

Durante a viagem de teleférico, Moon e sua esposa, Kim Jung-sook, explicaram diplomaticamente os benefícios para a saúde do exercício físico regular, enquanto Kim parecia olhar pela janela desinteressado.

O pai e o avô do ditador morreram por problemas cardíacos. Esse histórico familiar ajuda a alimentar especulações sobre a saúde do líder sempre que ele se ausenta por semanas.

Uma dessas ausências, em 2014, gerou rumores de que Kim pode ter sofrido uma forte ressaca, gota ou até um golpe. Quando ele reapareceu na mídia, repórteres e analistas sul-coreanos notaram um pequeno veículo semelhante a um carrinho de golfe no canto de uma foto, e especularam que Kim estava tendo problemas para andar. Mais tarde, a TV estatal norte-coreana o mostrou mancando com uma bengala, dizendo não se sentir bem.

No ano passado, outro sumiço gerou especulações de observadores externos. Eles suspeitaram que Kim estava em “grave perigo" e fez uma cirurgia cardíaca ou teve "morte cerebral". O líder logo reapareceu com a aparência de antes, mas isso não impediu os repórteres sul-coreanos de notar uma mancha escura perto de seu punho. Poderia ser a área em que os médicos colocaram um tubo para realizar uma cirurgia de ponte de safena?

A saúde de Kim continua sendo uma bomba-relógio, disse Lee Byong-chul, um especialista da Coreia do Norte no Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Universidade Kyungnam, em Seoul.

“Você não precisa de um especialista para dizer que Kim Jong-un tem um problema de saúde: basta considerar seu peso, tez, marcha, respiração e tabagismo”, disse Lee. “E não temos ideia de quem vai controlar as armas nucleares da Coreia do Norte quando ele se for.” /NYT

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte [Ásia]Kim Jong-un

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.