KCNA VIA KNS/AFP
KCNA VIA KNS/AFP

Líder norte-coreano diz que desiste de arsenal nuclear se EUA não atacarem

Diplomatas sul-coreanos afirmam que regime de Kim Jong-un prometeu desmantelar local de testes nucleares sob supervisão internacional se governo americano encerrar oficialmente a Guerra da Coreia e firmar um pacto de não agressão

O Estado de S.Paulo

29 Abril 2018 | 09h57
Atualizado 29 Abril 2018 | 20h27

SEUL - Diplomatas sul-coreanos disseram neste domingo, 29, que o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, prometeu ao presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que entregará seu arsenal nuclear se os EUA firmarem um pacto de não agressão e encerrarem formalmente a Guerra da Coreia – que foi interrompida com um armistício, em 1953, mas sem acordo de paz. A promessa teria sido feita durante a cúpula entre os dois, na semana passada. 

Em um novo gesto de boa vontade e de aproximação com os americanos, Kim teria dito que convidaria especialistas e jornalistas dos EUA e da Coreia do Sul para acompanharem o desmantelamento do local de testes nucleares do país, marcado para maio.

Yoon Young-chan, porta-voz do governo sul-coreano, deu neste domingo mais detalhes do encontro histórico entre Kim e Moon, na sexta-feira. “Eu sei que os americanos têm uma disposição natural contra a gente. Mas quando eles dialogarem conosco, verão que eu não sou o tipo de pessoa que lançaria armas nucleares contra a Coreia do Sul, sobre o Pacífico ou na direção dos EUA”, disse Kim ao presidente sul-coreano. 

+++ Coreia do Norte aceita suspender testes nucleares para negociar com os EUA, diz Seul

Em Washington, a notícia foi recebida com cautela. No entanto, assessores de Trump já fazem planos para um rápido desmantelamento do arsenal atômico norte-coreano, que poderia levar até dois anos. “Isto teria de ser acompanhado por uma abertura total e completa de todo o programa nuclear da Coreia do Norte, incluindo um mecanismo de verificação internacional”, disse John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional do presidente Trump.

Muitos analistas e assessores de Trump, incluindo Bolton, lembram que a Coreia do Norte já fez várias promessas de desnuclearização antes – e nunca cumpriu. Os gestos de Kim, segundo eles, podem ser uma tentativa de ganhar tempo e amenizar as sanções econômicas contra o país. “Precisamos ver um comprometimento de verdade”, disse ontem Bolton ao programa Face the Nation, da TV CBS. “Não queremos ver propaganda da Coreia do Norte. Até agora, vimos apenas palavras.”

+++ Coreia do Norte promete desmantelamento público de base nuclear, diz Seul

Sobre um possível acordo de não agressão, Bolton lembrou que o tema já havia sido discutido em outras ocasiões. “Já ouvimos isto antes”, disse o conselheiro de Trump. O manual de propaganda da Coreia do Norte é uma fonte inesgotável de recursos.”

O presidente americano, no entanto, acredita que o encontro com Kim poderia servir para melhorar sua imagem, especialmente no exterior – no fim de semana, a agência de apostas Coral, do Reino Unido, indicou que Kim e Trump estão entre os principais candidatos ao Nobel da Paz. 

+++ Coreia do Norte diz aos EUA que está pronta para discutir desnuclearização

No sábado, o presidente americano anunciou que deve se reunir com o ditador norte-coreano “em três ou quatro semanas”, o que representa uma leve antecipação em relação às estimativas da Casa Branca, que havia fixado a reunião para o fim de maio ou princípio de junho. 

“Acredito que teremos um encontro nas próximas três ou quatro semanas”, afirmou Trump em comício realizado no Estado de Michigan. “Será um encontro muito importante para a desnuclearização da Península da Coreia.” / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.