Kirchner diz que denúncias de corrupção são 'infâmias'

O ex-presidente da Argentina, Néstor Kirchner, qualificou hoje de "infâmias" as denúncias de corrupção apresentadas contra ele ontem na Justiça argentina, pela líder oposicionista Elisa Carrió. "À infâmia eu não respondo. Esse é o problema de uma pessoa que fracassou em tudo", disse Kirchner, referindo-se a Carrió, derrotada nas eleições presidenciais de 2003 e 2007. Kirchner participou hoje de uma homenagem ao ex-presidente Héctor Cámpora. A líder da Coalizão Cívica, Elisa Carrió apresentou ontem uma denúncia contra Kirchner; contra o ministro do Planejamento, Julio De Vido; e contra o secretário dos Transportes, Ricardo Jaime, por suposto enriquecimento ilícito, ao declararem vitoriosos em licitações de obras públicas a "empresários amigos e testas de ferro".De Vido e Jaime ocupam os cargos atuais desde a gestão presidencial de Kirchner (2003-2007) e são peças chave do gabinete da atual presidente, Cristina Fernández de Kirchner, que é esposa de Néstor e assumiu o cargo em dezembro. "Eu tenho uma tranqüilidade absoluta. A consciência moral tranqüila. Porque eu acusei de associação ilícita o bando de ladrões que saquearam o país, isso me deixou tranqüila", disse Carrió hoje, em entrevista à rádio América.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.