Kirchner indica mulher para a Corte Suprema

O presidente Néstor Kirchner propôs a jurista Carmem Argibay, atual presidente do Tribunal Penal Internacional de Haia, para ocupar uma das duas cadeiras vagas da Corte Suprema da Argentina. O anúncio foi feito a jornalistas pelo ministro da Justiça e Direitos Humanos, Gustavo Béliz. "Estamos designando uma juíza proba, uma mulher de bem, uma mulher comprometida com o direito, uma mulher comprometida com o Estado democrático", disse, por sua vez, o chefe de gabinete de ministros, Alberto Fernández. Caso Argibay, de 64 anos, seja aprovada pelo Senado argentino, a jurista será a segunda mulher na história do país a fazer parte da Corte Suprema, mas a primeira a ser proposta por um governo constitucional. Entre 1970 e 1973, a especialista em direito civil Margarita Argúas ocupou uma das vagas da Corte Suprema, depois de ter sido designada pelo regime militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.