Kirchner paga dívida milionária a veteranos das Malvinas

Estado vai desembolsar US$ 161,2 milhões entre dinheiro e bônus

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 02h48

O presidente da Argentina, Néstor Kirchner, determinou na sexta-feira, 8, por decreto que seja paga uma dívida referente à suspensão das pensões de 14 mil ex-combatentes da guerra de 1982, contra o Reino Unido, pela posse das ilhas Malvinas. A medida exigirá do Estado um desembolso de 500 milhões de pesos (US$ 161,2 milhões) entre dinheiro e bônus a partir da próxima semana. "A dívida com os ex-combatentes é eterna, tanto moral quanto institucional. Eles foram submetidos a um longo desconhecimento por parte do próprio Estado", disse Kirchner. A suspensão das pensões pagas aos veteranos da Guerra das Malvinas aconteceu entre junho de 1996 e agosto de 2002, segundo a Administração Nacional da Seguridade Social. "Dia após dia, hora após hora, vamos construindo a vitória estratégica que o dia de amanhã nos dará, para conseguir a recuperação pacífica das ilhas Malvinas", anunciou Kirchner durante seu discurso. A Argentina reivindica desde 1833 a soberania do arquipélago, que foi ocupado pelo Reino Unido. Em 1965 a ONU recomendou que as duas partes resolvessem a disputa numa negociação direta. Mas o Reino Unido se nega a conversar sobre o tema. A guerra nas ilhas Malvinas, em 1982, terminou com a rendição das tropas argentinas. As relações diplomáticas entre os dois países só foram reatadas em 1990. Grupos de ex-combatentes elogiaram a medida anunciada por Kirchner, mas reivindicaram um aumento de suas pensões e melhoras no atendimento médico que recebem. Os desequilíbrios psicológicos têm sido um dos principais problemas dos veteranos. Os suicídios de soldados que estiveram nas Malvinas, entre 350 e 400, superam o total de mortos em batalha (326).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.