Kirchner revela ter sido ameaçada pelo Estado Islâmico

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi ameaçada pelo Estado Islâmico. Segundo texto publicado ontem no site do governo argentino, após o encontro com o Papa Francisco a presidente foi questionada por jornalistas sobre as ameaças recebidas pelo representante da Igreja Católica, e respondeu que ela mesmo recebeu algumas ameaças.

AE, Estadão Conteúdo

21 de setembro de 2014 | 16h25

"Dias atrás dois comissários, um da Polícia Federal da Argentina e outro da polícia de Buenos Aires, fizeram uma denúncia por ameaças contra minha pessoa", disse, segundo o texto publicado no site do governo. Ela acrescentou que a ameaça do Estado Islâmico tem como origem a amizade com o Papa Francisco e o seu posicionamento para a existência de dois Estados: um da Palestina e outro de Israel.

No entanto, Kirchner minimizou o ocorrido e disse que, se temesse ameaças, deveria viver debaixo da cama, assim como o Papa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.