Kirchner tem hoje reunião com futuros ministros

O presidente eleito da Argentina, Néstor Kirchner, realizará hoje as primeiras reuniões com seus ministros, antes de tomar posse no próximo domingo. Kirchner, que participaria ontem à noite de um jantar oferecido pelo presidente Eduardo Duhalde à bancada parlamentar do Partido Justicialista, na residência oficial, acabou deixando seu regresso à Buenos Aires para hoje, no início da tarde. O presidente passou toda semana em Rio Gallegos, na província de Santa Fé. Nesta quinta-feira, Néstor Kirchner tem previsto um encontro com o presidente Eduardo Duhalde e com alguns de seus ministros escolhidos para preparar sua primeira reunião com os 11 ministros e dois secretários com status de ministro, a qual ocorreria amanhã. Ainda não houve uma confirmação oficial sobre a reunião mas alguns assessores de Kirchner adiantaram que o encontro será realizado para que o presidente eleito começe a traçar as linhas a serem adotadas nos primeiros dias de governo.O presidente eleito está participando ativamente da escolha das equipes de cada ministério, pelo menos dos nomes dos secretários. "O presidente quer um governo homogêneo e firme, sem que algum ministro, secretário ou assessor abandone o cargo na metade do mandato. Por isso, está cuidadoso com a formação das equipes", disse um assessor de Kirchner, por telefone, à Agência Estado. Sem revelar nomes, o assessor somente confirmou o que vem dizendo à imprensa em geral, que todos os homens escolhidos são de confiança do presidente eleito. A característica marcante dos integrantes do governo é justamente a de que são pessoas de confiança de Kirchner ou com alto grau de credibilidade, sem nenhuma "estrela" ou personagens famosos. Os analistas têm sido unânimes em considerar que o gabinete tem um perfil executivo, trabalhador, técnico e operacional. A reação da população também foi positiva. Uma pesquisa realizada pela consultoria de Enrique Zuleta Puceiro, OPSM, revelou que 57,9% dos entrevistados avaliam o ministério como "bom ou muito bom", enquanto que 21,1% o considerou "regular", e 18% estimou que é muito cedo para emitir opiniões.Apenas 2,1% opinou que o gabinete de Kirchner é "ruim". O ministro com melhor imagem é o de Economia, Roberto Lavagna, com 79,5% de aprovação, enquanto que a irmã do presidente, a futura ministra de Ação Social, Alícia Kirchner, obteve 65% de aceitação. A pesquisa foi feita por telefone com um universo de 600 pessoas, entre terça e quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.