Kirchner vai pedir apoio aos vizinhos Lula e Lagos

O candidato à presidência da Argentina Néstor Kirchner ainda não desistiu de obter uma foto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para capitalizar votos no segundo turno das eleições, em 18 de maio. Kirchner buscará apoio dos vizinhos e promoverá seu eventual governo em visitas que fará ao presidente Lula e a Ricardo Lagos, do Chile. A viagem ao Brasil e ao Chile terá início na quarta-feira. O candidato irá acompanhado pelo ministro de Economia, Roberto Lavagna, que continuará no cargo se Kirchner for eleito, para transmitir a imagem de que Kirchner daria condições de "previsibilidade" para a Argentina.Durante toda a campanha no primeiro turno se falou que os assessores de Kirchner tentaram marcar um encontro com Lula, para que o presidente brasileiro possasse para uma foto ao lado do candidato apoiado por seu colega, o presidente Eduardo Duhalde. A versão foi desmentida por ambos lados. Kirchner agora tenta explorar o discurso de "dar continuidade às políticas do Mercosul e ao aprofundamento das relações bilaterais", segundo assessores de sua campanha.O governador de Santa Cruz quer aproveitar este ponto a seu favor na briga pela cadeira presidencial, já que seu adversário, Carlos Menem, não é o preferido pelo governo brasileiro para complementar as propostas do presidente Lula de avançar com o Mercosul. Entre dois modelosO embaixador brasileiro na Argentina, José Botafogo Gonçalves, admitiu, durante um coquetel na Embaixada, que o que se disputa nas eleições é a escolha de dois modelos diferentes para o país: " Um modelo (o de Kirchner) é produtivista, integracionista e defende a substituição de importações para fortalecer a indústria local. O outro é nostálgico, está preso somente à estabilidade econômica e voltado para o sistema financeiro", afirmou Botafogo. "Esse caminho produtivista e integracionista vai ser melhor para o Brasil e para a Argentina", destacou o embaixador, na conversa com jornalistas brasileiros. Na quarta-feira, Lavagna e Kirchner terão um jantar com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci. O encontro com Lula ocorrerá na quinta-feira. A reunião com Ricardo Lagos será na sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.