Kirchner venceria disputa em primeiro turno na Argentina

O presidente argentino, Néstor Kirchner, receberia 52% dos votos nas eleições presidenciais de outubro, enquanto sua esposa, a outra pré-candidata oficial, deveria enfrentar um segundo turno, de acordo com sondagem divulgada neste Sábado.A pesquisa de Ipsos Mora e Araujo, realizada em janeiro junto a 1.200 eleitores e divulgada no jornal Clarín, indica que os esforços do governo para apresentar a primeira-dama Cristina Fernández como possível sucessora de seu marido ainda não deu os melhores resultados possíveis.Esta semana, o chefe de gabinete, Alberto Fernández, reiterou que o governo tem "dois muito bons candidatos" para as eleições de 28 de outubro. Cristina Fernández obteve 37% dos votos na sondagem.Segundo as regras eleitorais argentinas, para vencer em primeiro turno é necessário obter 45% dos votos, ou 40%, mas superando em mais de 10 pontos o segundo colocado. A sondagem também confirmou que a oposição está muito atrás dos candidatos do governo.O líder do partido de centro-direita PRO, Mauricio Macri, obteve 8 pontos das intenções de votos quando o candidato oficial era Kirchner e 9 pontos quando era sua esposa. Macri ainda não anunciou se será candidato a presidente ou a outro cargo.Roberto Lavagna, ex-ministro da Fazenda de Kirchner, obteve 5 e 6 pontos nos dois cenários. O mesmo resultado foi alcançado por Elisa Carrió, que lidera um partido de centro-esquerda.Kirchner ainda não anunciou se irá concorrer a um segundo mandato de quatro anos, e quando se refere a candidaturas deixa aberta a porta à indicação de sua mulher. Muitos líderes de oposição afirmam tratar-se de uma manobra política e que o próprio Kirchner será o candidato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.