EFE/David Fernández
EFE/David Fernández

Kirchnerismo marcha em círculos por 24 horas na Praça de Maio

Centenas de militantes começaram o ato às 17 horas, com cartazes que pediam emprego e o retorno de Cristina Kirchner, que governou entre 2007 e 2015; apoiadores trabalham para que ela se candidate ao Senado em 2017

Rodrigo Cavalheiro CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S. Paulo

26 Agosto 2016 | 20h29

A marcha semanal em círculos das Mães da Praça de Maio ganhou nesta sexta-feira, 26, uma versão ampliada, de 24 horas, contra o presidente argentino, Mauricio Macri. Centenas de militantes começaram o ato às 17 horas, com cartazes que pediam emprego e o retorno de Cristina Kirchner, que governou entre 2007 e 2015. Apoiadores trabalham para que ela se candidate ao Senado em 2017. 

A ex-presidente responde na Justiça a ações por enriquecimento ilícito, fraude financeira e descumprimento das funções de funcionário público, entre outras acusações. Esta semana, o Ministério Público pediu ao Judiciário que proíba a saída dela do país, por supostamente ter ocultado contas ligadas ao empreiteiro kirchnerista Lázaro Báez no valor de US$ 492 milhões nos EUA. O promotor que fez a denúncia, Guillermo Marijuan, virou alvo de uma ação nesta sexta-feira depois que uma gravação em que dizia à produção de um programa de TV ter colocado Cristina "perto da prisão" foi divulgada.

Hebe de Bonafini, líder da associação que busca filhos desaparecidos na última ditadura (1976-1983) e kirchnerista incondicional, ressaltou que o objetivo da marcha que será encerrada por ela neste sábado às 17 horas é reivindicar trabalho para a população. Na quarta-feira, o governo Macri divulgou pela primeira vez o índice de desemprego, de 9,3%. A medição foi distorcida durante o kirchnerismo, que interveio no Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

Desde 2006, as Mães da Praça de Maio não convocavam marchas de um dia de duração, com shows durante a madrugada para os militantes que se revezam caminhando.

“Vocês têm de ser nossas pernas, pois já não podemos caminhar”, disse a ativista, em uma cadeira de rodas, no começo da manifestação. Hebe esteve a ponto de ser detida este mês por se negar a depor em um caso em que é investigada por desvio de dinheiro destinado à construção de casas populares por sua fundação. 

A ordem judicial não foi cumprida em razão de uma mobilização da militância kirchnerista em torno dela, que aceitou declarar na sede da associação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.