Kissinger deu luz verde à ditadura argentina

Documentos oficiais prestes a serem liberados pelo governo norte-americano demonstram que o então secretário de Estado Henry Kissinger "desempenhou um papel decisivo" em garantir aos militares norte-americanos que a Casa Branca "não criticaria" as atrocidades cometidas pela ditadura imposta em março de 1976. Os documentos, citados por uma investigação da revista Insight do jornal conservador The Washington Times e que estará nas bancas hoje à noite, cobrem o período de junho a outubro de 1976 e mostram que os líderes militares argentinos estavam "convencidos de que não haveria um verdadeiro problema com os Estados Unidos sobre o tema" dos direitos humanos. A nova investigação é mais um capítulo das sérias acusações que pesam contra Kissinger. Graves indícios apontam que o ex-secretário de Estado norte-americano foi conivente com as ditaduras militares que assolaram as nações sul-americanas durante os anos 70.

Agencia Estado,

04 Janeiro 2002 | 19h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.