Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Kofi Annan cobra acesso 'imediato' dos observadores à cidade de Al-Haffa

O enviado especial da ONU e da Liga Árabe está preocupado com o aumento da violência na cidade

Efe,

11 de junho de 2012 | 14h57

GENEBRA - O enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, afirmou nesta segunda-feira, 11, que os observadores das Nações Unidas desdobrados na Síria devem ter acesso "imediato" à cidade de Al-Haffa, e pediu às partes envolvidas para evitarem novas vítimas civis.

Veja também:

link Violência sectária ameaça complicar conflito sírio

link Mais de 14 mil morreram desde o começo da revolta na Síria, diz ONG

Segundo um comunicado divulgado por Ahmad Fawzi, porta-voz do enviado especial, Kofi Annan "está muito preocupado com os últimos relatórios de violência no país e pelo aumento da violência que parte tanto do governo como das forças opositoras".

Annan "está especialmente preocupado com os bombardeios em Homs e com os relatórios que indicam o uso de bombas, helicópteros e tanques na cidade de Al-Haffa e Lattakia. Há indícios que indicam que um grande número de civis estão presos nesta região", completou o comunicado.

Diante desta situação, o enviado especial pede "às partes envolvidas para que tomem todas as medidas necessárias para assegurar que os civis não serão atingindos", acrescenta a nota.

Além disso, Annan pediu expressamente que os observadores (desarmados) da ONU possam entrar na cidade de Al-Haffa "imediatamente".

Esse pedido do enviado especial chega depois dos fatos registrados na última quinta-feira, 7, quando os membros da Missão de Supervisão da ONU na Síria (UNMIS) foram impedidos de entrar na cidade de Al Qubeir, o mesmo local onde teria ocorrido um massacre no dia anterior.

Os 300 observadores da ONU deveriam ter acesso livre por todo território sírio, segundo estabelece o plano de paz de Annan, uma mediação que não alcançou resultados consideráveis até o momento. Isso porque, a sua principal premissa, o cessar-fogo, ainda não foi alcançado neste periodo em que teoricamente se encontra em vigor.

De fato, os grupos da oposição já anunciaram publicamente que não se sentem comprometidos com o plano de Annan e, por isso, que também não atendem ao pedido de cessar-fogo.

A ONU estima que um milhão de sírios necessitam ajuda humanitária, enquanto a Cruz Vermelha eleva este número até um milhão e meio. Segundo Nações Unidas, o conflito sírio já causou mais de 11 mil mortes.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.