Kofi Annan deixa o Rio e destaca permanência da ONU no Iraque

O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, que veio ao Brasil acompanhar o velório de Vieira de Mello, disse hoje, antes de deixar o Rio, que a opção de voltar atrás na missão no Iraque não está sendo levada em consideração. "O povo do Iraque precisa de nós, quer que nós fiquemos. Nós não vamos deixar que fanáticos violentos que levaram Sérgio ditem o que acontece no Iraque". Annan repetiu que a ONU vai continuar o trabalho iniciado por Vieira de Mello para "garantir a soberania, o território e a integridade do Iraque e para assegurar que os iraquianos sejam responsáveis por seu futuro político e por seus recursos naturais." O secretário-geral agradeceu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela confiança de que as Nações Unidas têm habilidade de agir como um negociador internacional. Annan não quis comentar, no entanto, como andam as investigações do atentado da última terça-feira, que matou Vieira de Mello. Por fim, ele disse que está em estudo a transformação das forças de coalisão em um grupo multilateral que seria liderado pela ONU, mas ressaltou que a questão ainda está discutida. Hoje, o secretário-geral aproveitou para conhecer o Rio. Às 10h30, fez um passeio de helicóptero de uma hora em que sobrevoou a zona sul e centro do Rio, acompanhado do vice-governador, Luiz Paulo Conde. Mais tarde, almoçou com Conde numa churrascaria da zona sul. Às 18 horas, ele embarcou de volta a Nova Iorque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.