Kofi Annan propõe aliança internacional contra a fome

O secretário-geral das Organizações das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, pedirá, nesta quinta-feira - nas comemorações do dia internacional da alimentação -, a criação de uma aliança internacional contra a fome com o objetivo de "mobilizar vontade política e recursos" e que reuniria governos, organizações internacionais, sociedade civil, setor privado e religiosos.Apesar de a iniciativa de Annan se assemelhar aos objetivos que o governo brasileiro tenta inserir na agenda internacional, nos bastidores da entidade altos funcionários reconhecem que a proposta ainda não prevê qualquer tipo de estrutura para a mobilização de recursos. Annan não faz uma menção explícita à idéia do fundo e muito menos a uma taxa sobre a venda de armas para alimentar esse fundo, propostas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos últimos meses. A iniciativa de Annan, aparentemente, também não inclui a última sugestão de Lula, feita durante a Assembléia Geral da ONU, em setembro: a criação de um Comitê Mundial de Combate à Fome, integrado por chefes de Estado. Mas o assessor especial da Presidência da República, Oded Grajew, disse nesta quarta-feira que qualquer iniciativa da ONU contra a fome vai ao encontro da proposta defendida por Lula em fóruns internacionais. "O esforço do presidente Lula é para que essa luta seja encampada mundialmente", disse Grajew. Segundo ele, Annan assegurou ao presidente que a proposta de criação de um comitê no âmbito da ONU para tratar das questões relativas à miséria e à fome deverá ser efetivada até 2004. (Colaborou Demétrio Weber, de Brasília)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.