Koizumi acena com apoio japonês ao ataque ao Iraque

O Iraque precisa cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e permitir que sejam feitas inspeções irrestritas nas suas instalações militares, afirmou hoje o primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi em discurso no Conselho de Relações Exteriores, em Nova York.No discurso, intitulado "Aliança EUA-Japão no 21º Século: Três Desafios", Koizumi também afirmou que a comunidade internacional "precisa manter uma atitude firme por meio de repetidos esforços diplomáticos".O primeiro-ministro disse também que o Iraque "precisa cumprir com as resoluções do Conselho de Segurança da ONU" e "deveria permitir inspeções imediatas e incondicionais da ONU" e "se desfazer de qualquer armamento de destruição em massa". Koizumi acrescentou que o Japão vai se aliar aos EUA no esforçopara que o Iraque cumpra as exigências da ONU. De acordo com o primeiro-ministro japonês, a recusa do Iraque em permitir ainspeção de suas instalações militares "é uma grande preocupação para a comunidade internacional".O discurso de Koizumi foi amplo, ofereceu um panorama da economia japonesa e abordou assuntos geopolíticos na regiãoasiática. Em relação à economia, que, segundo analistas, poderánovamente encolher no último trimestre do ano, Koizumi afirmouque ela "tem potencial considerável de crescimento". Ele observou que o governo está sendo criticado por sua "firmeposição fiscal", mas defendeu o limite anual de seguro,atualmente de 30 trilhões de ienes em títulos do governojaponês. "Isto pode ser criticado por alguns como uma políticade gastos livres, mas certamente, não pode ser austeridade",afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.