AFP PHOTO / SPUTNIK / Mikhail KLIMENTYEV
AFP PHOTO / SPUTNIK / Mikhail KLIMENTYEV

Kremlin diz que não há provas de interferência russa nas eleições americanas

Na sexta-feira, 13 cidadãos russos e 3 empresas foram acusados formalmente de ter favorecido a campanha de Donald Trump

O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2018 | 08h36

MOSCOU - Não há provas significativas de que o governo russo tentou influenciar as eleições presidenciais americanas, afirmou nesta segunda-feira, 19, o Kremlin, depois que 13 russos foram acusados nos EUA de tentativa de favorecimento da campanha de Donald Trump.

+ Cenário: Trump perdeu chance de liderar esforço anti-Rússia

"Seguimos sem ver provas significativas de que alguém teria se envolvido nas eleições americanas", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, insistindo que "não há nenhum indício de que o governo russo estaria envolvido".

+ Facebook foi usado pela Rússia para influenciar eleitores

Na sexta-feira 16, a Justiça dos EUA acusou formalmente 13 cidadãos russos, entre eles uma pessoa próxima ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, e três empresas de terem favorecido em 2016 a candidatura de Trump.

Contudo, o documento de acusação não menciona conivência entre a equipe de campanha do republicano e o governo russo, e se refere unicamente a “cidadãos russos”.

Não há “nenhum indício de que o governo russo estaria envolvido”, afirmou Peskov. “Por isso insistimos em considerar que essas evidências são infundadas, não as consideramos completas ou legítimas e não podemos concordar com elas.”

Peskov ainda ressaltou que a “Rússia não se envolveu e não costuma se envolver em assuntos de outros países. E não o faz atualmente”.

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, já havia qualificado no sábado em Munique, na Alemanha, as acusações americanas de “falatório”. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.