Kremlin envia mais tropas para proteger russos no Quirguistão

Segundo alto oficial, 150 paraquedistas irão ao país; data de chegada das tropas não foi especificada

08 de abril de 2010 | 18h17

Reuters

 

MOSCOU- Moscou enviou tropas ao Quirguistão nesta quinta-feira, 8, para proteger os cidadãos russos, incluindo os de sua base militar no país, logo após os autoproclamados novos líderes terem tomado o poder na empobrecida nação da Ásia central.

 

Veja também:

linkSaiba mais sobre a base militar dos EUA no Quirguistão

 

linkRússia exige fechamento de base militar dos EUA no Quirguistão

 

linkOposição toma o poder no Quirguistão

 

linkONU vai enviar representante ao Quirguistão

linkPresidente do Quirguistão se recusa a renunciar

linkSaiba mais sobre o Quirguistão

mais imagens Veja imagens dos conflitos em Bishkek 

 

O presidente russo, Dmitri Medvedev, disse ao líder do vizinho Casaquistão que a Rússia enviava "um grupo de militares" ao Quirguistão, de acordo com um comunicado de seu gabinete.

 

O máximo general da Rússia disse que Medvedev ordenou o envio de paraquedistas para proteger o pessoal na base aérea da ex-república soviética, reportaram agências de notícia locais.

 

"O presidente tomou a decisão de enviar duas companhias de paraquedistas", afirmou a agência estatal do país, citando o chefe do Estado Maior, Nikolai Makarov. "Cerca de 150 militares chegaram a Kant", indicou.

 

O comunicado do Kremlin declarou que as tropas dariam segurança às "famílias de cidadãos russos" no Quirguistão, além da embaixada e outras instalações diplomáticas.

 

No documento, contudo, não estavam especificados quantos soldados seriam enviados, nem quando.

 

Na quinta-feira, líderes da oposição quirguiz disseram que haviam tomado o controle do país após confrontos entre forças de segurança e manifestantes, onde morreram ao menos 75 pessoas.

 

Uma importante figura da oposição disse que a Rússia influiu nos acontecimentos na nação de 5,3 milhões de habitantes, onde os Estados Unidos têm uma base aérea para apoiar operações no próximo Afeganistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.