Yoo Hyong-jae/Reuters
Yoo Hyong-jae/Reuters

Kremlin enviará especialistas a Seul para investigar naufrágio de fragata

Presidente russo ordenou a investigação de incidente que provocou tensão entre as duas Coreias

Efe

26 Maio 2010 | 18h10

O presidente russo, Dmitri Medvedev, ordenou nesta quarta-feira, 26, o envio a Seul de um grupo de especialistas para investigar o naufrágio da fragata sul-coreana Cheonan, incidente que provocou uma escalada de tensão entre as duas Coreias.

 

Veja mais:

Coreia do Norte ameaça fechar fronteiras com Sul

EUA apoiam busca por solução no CS da ONU

Pyongyang expulsa trabalhadores sul-coreanos

Especial: As origens do impasse norte-coreano

 

"Dmitri Medvedev considera uma questão de princípio estabelecer o verdadeiro motivo do naufrágio do navio e resolver com toda transparência quem assumirá a responsabilidade pelo sucedido", informou o Kremlin em comunicado.

 

O Kremlin considera que "quando se encontrar informação confiável sobre o envolvimento de alguém no incidente, em relação aos culpados devem-se tomar as medidas que a comunidade internacional considere necessárias e adequadas. "

 

"O presidente russo, sob proposta dos líderes da Coreia do Sul, tomou a decisão de enviar a esse país um grupo de especialistas altamente qualificados para conhecer em detalhes os resultados da investigação", aponta.

 

A nota oficial destaca que especialistas russos "já estudam cuidadosamente os materiais da investigação fornecidos pela parte sul-coreana.

 

Ao mesmo tempo, Medvedev "considera importante que todas as partes demonstrem contenção e moderação no interesse de evitar uma nova escalada de tensão, preservar a paz, segurança e estabilidade na península coreana e na região como um todo. "

 

"A Rússia está disposta a continuar cooperando estreitamente no problema com todos os países interessados", assevera.

 

Por sua vez, o porta-voz da Chancelaria russa, Igor Lyakin-Frolov, destacou que Moscou não respaldará que o incidente seja comandado pelo pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas até que seja confirmada cem por cento a participação da Coreia do Norte no naufrágio do navio.

 

"Devemos receber uma prova que demonstre a cem por cento o envolvimento da Coreia do Norte no naufrágio do Cheonan", apontou Frolov.

 

O porta-voz da diplomacia russa insistiu que Moscou, que participa desde 2003 nas negociações multipartidárias sobre a crise nuclear coreana, quer tirar suas próprias conclusões sobre o incidente. "

 

A Rússia, que compartilha uma fronteira de apenas 20 km com a Coreia do Norte tem aumentado nos últimos anos sua cooperação política e econômica com o regime comunista.

 

De acordo com uma investigação internacional, a fragata sul-coreana Cheonan naufragou no dia 26 de março no Mar Amarelo (Mar Ocidental) por causa de uma explosão causada por um torpedo norte-coreano, conclusão que é rebatida pela capital, Pyongyang.

 

Após esse episódio, a Coreia do Sul voltou a considerar o norte como seu "principal inimigo", termo que não usava desde 2004, enquanto Pyongyang tem ameaçado com uma reação militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.