Ku-Klux-Klan faz passeata em cidade com prefeito negro

Dias depois de uma cruz de madeira ter sido queimada no gramado do primeiro prefeito negro da Newport, as autoridades locais se preparam para uma passeata e comício com pelo menos 200 membros do grupo racista Ku-Klux-Klan. A passeata marca o aniversário do general Robert Lee, líder do sul na Guerra Civil americana, e ocorre dois dias antes do feriado nacional em homenagem ao líder negro Martin Luther King. A comunidade local prepara uma ?celebração da diversidade? para diminuir o impacto do evento da Klan, mas a polícia está preocupada com a possibilidade de confrontos entre manifestantes dos dois lados. Embora reconheçam o direito da KKK (como a organização também é conhecida) a se manifestar, as autoridades municipais acham que o grupo já está indo ?longe demais?. ?Acho que toda a comunidade está frustrada?, disse o prefeito Roland Dykes. Scott Fultz, o grande dragão (líder) dos Cavaleiros Brancos de Javé do Tennessee, facção da KKK responsável pela passeata, criticou a queima da cruz no jardim de Dykes, na quarta-feira, e negou o envolvimento do grupo. ?Estou aqui pelo meu povo?, disse. ?Nosso povo está perdendo seus empregos?. O prefeito Dykes diz que a tensão racial em Newport é pequena. ?Todos nos damos com todos. Somos uma família, por assim dizer?, diz.

Agencia Estado,

19 Janeiro 2002 | 08h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.