Kursk é retirado do fundo do mar Barents

O submarino nuclear russo Kursk foi içado hoje das águas do Mar de Barents, pouco mais de um ano após ter afundado, com uma tripulação de 118 pessoas. O transporte do Kursk, que estava a 108 metros de profundidade, para um porto próximo de Murmansk deve ser concluído na quarta-feira. O resgate custará ao governo russo cerca de US$ 65 milhões. A operação para reflutuar o submarino, de 150 metros de comprimento e 18 mil toneladas, foi iniciada na noite de domingo e durou cerca de 15 horas. Mergulhadores instalaram monitores de radiação no Kursk e, em seguida, o submarino começou a ser erguido 10 metros a cada hora. O navio holandês Giant-4 içou o Kursk com a ajuda de 26 cabos de aço, cada um pesando 22 toneladas. O submarino está sendo conduzido a uma doca perto do porto de Murmansk pelo consórcio Mammoet-Smit International. "Assim que navio atingir a costa, nós vamos tomar um bom drinque, seguindo uma tradição russa", comemorou o chefe de Estado-Maior da Frota do Norte, o vice-almirante Mijail Motsak. Os corpos do tripulantes serão removidos, bem como os 22 mísseis supersônicos que equipavam o Kursk. Depois, especialistas vão iniciar as investigações sobre a causa do acidente, ocorrido no dia 12 de agosto de 2000. A hipótese mais provável é que o Kursk tenha naufragado depois de uma explosão de torpedos. O resgate do submarino não deve, no entanto, esclarecer totalmente as dúvidas em torno da tragédia, já que a proa do Kursk, onde ficava o compartimento de torpedos, foi serrado pelas equipes de salvamento para evitar explosões e permanece no fundo do mar. Uma operação para recuperar essa parte do Kursk será realizada apenas no próximo ano. Quando os especialistas finalizarem o trabalhos de análise no casco já içado, o Kursk será rebocado para um estaleiro em Snezhnogorksk, onde o combustível nuclear será descarregado e o submarino, desmontado. A operação havia sido marcada inicialmente para o dia 15 de setembro, mas teve de ser adiada várias vezes por causa das condições climáticas e de dificuldades técnicas.

Agencia Estado,

08 Outubro 2001 | 18h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.