''La Nación'' denuncia suborno dos Kirchners

O jornal La Nación publicou ontem uma denúncia de que Lidia Papaleo de Graiver, viúva de David Graiver, dono da empresa Papel Prensa, morto nos anos 70, teria negociado com a presidente Cristina Kirchner e o marido dela, Néstor, um pagamento para contar outra versão sobre a venda da companhia, em 1976, a única produtora de papel de jornal da Argentina.

Ariel Palacios, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

A nova versão de Lidia diz que Clarín e La Nación foram cúmplices dos militares, que a torturaram para a obrigar a vender as ações da Papel Prensa a baixos preços. Ambos os jornais afirmam que a venda foi realizada em condições normais e, meses após o negócio, Lidia foi detida pelos militares e torturada, em uma operação sem vínculos com a Papel Prensa.

Agora, Julio Saguier, dono do La Nación, diz ter se reunido em maio com Lidia. Na ocasião, o governo já havia declarado guerra aos dois jornais por causa da Papel Prensa. Na conversa, Lidia teria confessado que os Kirchners lhe ofereceram US$ 200 mil para confirmar a versão oficial. Caso fosse convincente, ela ganharia mais US$ 2 milhões.

Lidia admitiu que precisava do dinheiro. Para evitar a filtragem de informações sobre esses encontros secretos, realizados na residência presidencial de Olivos, o deputado Carlos Kunkel, amigo dos Kirchners, teria levado Lidia pessoalmente às reuniões. Segundo Saguier, as denúncias serão agora apresentadas formalmente aos tribunais de La Plata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.