REUTERS/Andres Cuenca Olaondo
REUTERS/Andres Cuenca Olaondo

Lacalle Pou diz que ideologias não podem atrapalhar interesses do Mercosul

Novo presidente do Uruguai defendeu o fortalecimento do bloco de países

Jussara Soares, enviada especial, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2020 | 16h40
Atualizado 01 de março de 2020 | 20h16

MONTEVIDÉU - Ao tomar posse neste domingo, o novo presidente do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, defendeu o fortalecimento do Mercosul e a flexibilização para países fecharem acordos bilaterais. Com o presidente Jair Bolsonaro na cerimônia, o novo líder uruguaio disse ainda que questões ideológicas dos membros do bloco não podem atrapalhar no avanço dos interesses comuns. Lacalle Pou disse que trabalhará para concluir o acordo do Mercosul com a União Europeia.

"É preciso fortalecer o Mercosul e ao mesmo tempo flexibilizar o bloco para que sócio possa firmar acordos bilaterais com outros países. Queremos terminar o processo de internalizar o tratado firmado pelo Uruguai e o Mercosul com a União Europeia", disse o presidente uruguaio.

Em seu pronunciamento, Lacalle Pou reafirmou que se manterá distante das questões ideológicas e defendeu o pragmatismo no Mercosul para que os países alcancem interesses comuns.

"Não deve importar a orientação de cada um dos membros do Mercosul. Para afiançar nossos interesses comuns, devemos deixá-los de lado, reduzidos às questões particulares de cada país. Se deixamos de lado essas questões ideológicas que nos podem diferenciar, o bloco vai se fortalecer no cenário internacional", disse.

Ao sair do parlamento, onde ocorreu a primeira parte da cerimônia de posse no Uruguai, o presidente Jair Bolsonaro acenou e fez uma reverência para o pequeno público no local. Houve vaias e aplausos de pessoas com bandeiras do Uruguai. O brasileiro é um dos seis chefes de Estado que participam da cerimônia de posse de Luis Lacalle Pou. Ele viajou com a primeira-dama Michelle Bolsonaro, que o acompanhou pela terceira vez a um compromisso internacional. 

O momento que marca a volta do centro-direita ao poder no Uruguai, após 15 anos de governos da Frente Ampla (esquerda), é cercado de expectativa do atual governo brasileiro que espera ter um aliado de primeira hora em temas regionais. Do lado uruguaio, no entanto, a perspectiva de analistas locais é que o novo mandatário adotará uma postura pragmática: buscará aproximação comercial e nas negociações do Mercosul, mas se manterá à distância nas pautas ideológicas de Bolsonaro.

O posicionamento tem uma justificativa. Bolsonaro é mal visto pela população uruguaia e está mais à direita que Lacalle Pau, do Partido Nacional. Mais ao centro, o novo presidente do Uruguai chegou ao poder com uma vitória apertada, com uma diferença de cerca de 1%, sobre o candidato esquerdista Daniel Martínez. Associar-se integralmente ao colega brasileiro traria também prejuízos internos.

Logo após vencer as eleições, o novo presidente do Uruguai já havia verbalizado que seu governo "não vai fazer parte de clube de amigos com base em ideologia, nem de um lado nem do outro".

O presidente Bolsonaro está no Uruguai com os ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional. Também está na comitiva a presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Maria Cristina Peduzzi.

Após acompanhar a cerimônia na Assembleia Geral, Bolsonaro assistiu à transmissão da faixa presidencial de Tabaré Vásquez  para Lacalle Pou na Plaza Independência. O brasileiro estava ao lei do Rei Felipe, da Espanha, e do presidente do Chile, Sebastián Piñera. O evento ocorre ao ar livre e, ao final, Bolsonaro recebeu um chapéu Panamá para se proteger do sol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.